Teletrabalho também será obrigatório nos serviços públicos dos concelhos de risco

Cerca de 29 mil funcionários públicos estavam em teletrabalho no final de Setembro, mas com as regras que entraram agora em vigor o número poderá aumentar. Teletrabalho não se aplica a trabalhadores dos serviços essenciais nem de atendimento ao público.

Foto
Aos trabalhadores de serviços essenciais e de atendimento ao público não se aplica a obrigação de teletrabalho RG Rui Gaudencio

Os serviços públicos situados nos 121 concelhos de risco também serão obrigados a adoptar o teletrabalho, desde que as funções em causa o permitam e não se trate de serviços essenciais ou de atendimento ao público, esclareceu o Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública. Porém, os funcionários públicos não são abrangidos pelos mecanismos previstos para o sector privado e que permitem ao trabalhador contestar a decisão da empresa de não adoptar o teletrabalho.