Forte sismo na costa do mar Egeu faz vários mortos e centenas de feridos na Turquia e na Grécia

Abalo de magnitude 7 provocou 27 mortos, um deles por afogamento após a subida das águas do mar, e pelo menos 800 feridos na Turquia e na Grécia.

Fotogaleria
Reuters/KEMAL ASLAN
sismo,mundo,turquia,grecia,
Fotogaleria
DR
sismo,mundo,turquia,grecia,
Fotogaleria
Reuters/MURAD SEZER
sismo,mundo,turquia,grecia,
Fotogaleria
LUSA/ERDEM SAHIN
sismo,mundo,turquia,grecia,
Fotogaleria
Reuters/KEMAL ASLAN
Fotogaleria
Reuters/KEMAL ASLAN
Fotogaleria
Reuters/KEMAL ASLAN
Fotogaleria
LUSA/ERDEM SAHIN
Fotogaleria
Reuters/KEMAL ASLAN
Fotogaleria
Reuters/KEMAL ASLAN
Fotogaleria
Reuters/KEMAL ASLAN

Um sismo de magnitude 7 abalou esta sexta-feira a zona da Turquia banhada pelo mar Egeu. Foi também sentido em algumas regiões da Grécia. Vinte e cinco pessoas morreram e mais de 800 ficaram feridas na cidade turca de Esmirna e na ilha grega de Samos morreram duas pessoas.

O sismo abalou a costa do Egeu na Turquia e a região de ​Mármara, atingindo especialmente Esmirna, e provocou uma subida das águas que entrou pela cidade, levando escombros (frigoríficos, mesas e cadeiras) ao avançar e deixando peixes em terra ao recuar, descreve a agência Reuters. Uma das vítimas morreu afogada.​

O terramoto, que aconteceu às 11h50, foi também sentido em Atenas e em Istambul.

Testemunhas ouvidas pela Reuters contaram que uma multidão foi para as ruas de Esmirna depois do sismo. O presidente da câmara de Esmirna, Tunc Soyer, disse que quase 20 os edifícios ficaram destruídos. Foram retiradas dos escombros 70 pessoas e as operações continuavam.

Ilke Cide, um estudante de doutoramento que estava em Guzelbahce, na zona costeira de Esmirna, durante o terramoto, contou à Reuters que fugiu para o interior depois da subida no nível das águas. “Estou muito habituado a terramotos... Então não levei este muito a sério, ao início, mas desta vez foi mesmo assustador”, confessou, acrescentando que o abalo terá durado, pelo menos, 25 a 30 segundos.

Moradores de Samos, uma ilha grega com cerca de 45 mil pessoas, foram aconselhados a manterem-se longe das zonas costeiras, disse à televisão Skai Efthymios Lekkas, responsável pela organização de planeamento para sismos do país. “Foi um tremor de terra muito grande, é difícil ter um maior”, disse. Passadas umas horas, foram descobertos os corpos de dois adolescentes que morreram no desabamento de um muro.

“Temos tido muitos tremores de terra no passado, mas nunca senti um que durasse tanto tempo”, disse Anna Makris, coordenadora de aconselhamento escolar em Atenas, à Al-Jazeera. 

Em Samos, dois adolescentes morreram depois de terem sido atingidos por um muro que ruiu. O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, utilizou o Twitter para enviar condolências. “As palavras são insuficientes para descrever o que se sente perante a perda de crianças”, escreveu.

Pelo menos 19 pessoas na ilha ficaram feridas. Duas, incluindo uma criança de 14 anos, foram transportadas por via aérea para Atenas e sete estão hospitalizadas em Samos, informaram as autoridades de saúde.

As autoridades gregas e turcas  envolvidas numa disputa sobre exploração nas suas águas levada a cabo por Ancara que os gregos vêem como uma provocação  estão em contacto. “Quaisquer que sejam as nossas diferenças, em alturas como estas, os nossos povos têm de se manter unidos”, disse o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, depois de falar ao telefone com o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

O epicentro do sismo localizou-se a 17 quilómetros da costa da província de Esmirna, numa profundidade de 16 quilómetros, segundo os serviços de emergência turcos. Já o Serviço Geológico dos Estados Unidos calcula que o epicentro terá tido uma profundidade de 10 quilómetros, situando-o a 33,5 quilómetros da costa turca.

Os terramotos são comuns na Turquia, que está numa intersecção de várias falhas sísmicas. Cerca de 17 mil pessoas morreram num sismo em Izmit, cidade a 150km de Istambul, em 1999.

Sugerir correcção