“Presentes”: o grito da comunidade africana do Porto a lutar contra a invisibilidade

Fotojornalista José Sérgio compôs um “retrato colectivo” de uma comunidade em crescimento no Porto: os africanos e afrodescendentes. Imagens contra a invisibilidade e pelo festejo de uma cidade não exclusivamente branca. Exposição está no MIRA Fórum, no Porto, até 23 de Dezembro

Foto
José Sérgio

Quando José Sérgio trocou Lisboa pelo Porto, pensava estar a sair de uma urbe onde a presença africana e afrodescendente era grande para morar numa “cidade branca”. Mas o quotidiano de morador não demorou a mostrar-lhe que estava “errado”: a comunidade era significativa e parecia até estar em crescimento. Essa descoberta conduziu o fotojornalista moçambicano a uma pergunta: por que razão esta percepção de o Porto ser uma cidade com poucos negros é tão generalizada? A exposição Presentes! Africanos e Afrodescendentes no Porto, que apresenta este sábado (16h) no Mira Fórum, no Porto, é de alguma forma a sua resposta-acção a esse questionamento: são 40 retratos para “tornar mais visível esta comunidade”. Como se gritasse a sua presença.

A vontade de trabalhar a temática - também nascida da “experiência pessoal de ser africano no Porto” - andava a borbulhar na sua cabeça há algum tempo. De uma forma “mais metafórica e simbólica” tinha feito uma aproximação ao tema, em 2019, com a exposição A Viagem que Guerra Junqueiro nunca fez, onde explorava a relação entre o poeta do Realismo português e Moçambique. A intuição de ter “campo para explorar” medrou por essa altura. 

Os planos do fotojornalista freelancer incluíam o esboço de um retrato com dados estatísticos e sociológicos. Mas a primeira barreira surgiu aí, depois de meses de contactos com várias instituições: “Não encontrei nada.” Nesta altura, a pandemia de covid-19 já estava instalada em Portugal e várias portas haviam sido fechadas, o que lhe dificultava a missão. Mas o trabalho não podia confinar-se – e José Sérgio fez-se ao caminho. Literalmente.

Foto
José Sérgio
Foto
José Sérgio

Em deambulações pela cidade, numa “aproximação mais intuitiva”, foi construindo um mosaico heterogéneo de africanos e afrodescendentes, elegendo uma abordagem sem pressas, que envolveu vários encontros com cada retratado e muita conversa. “Sabia que não queria fazer um vox pop e um retrato simples”, conta. Enquanto o diálogo se desenrolava, ia percebendo um ponto comum: “O orgulho em serem portuenses, a adoração pela cidade e a forma como foram recebidos.”

Essa “positividade”, também “espelho” da forma de estar na vida de José Sérgio, é carimbo das suas fotografias. “Foi intencional fazer essas imagens com orgulho. Desafiava-os para construirmos um retrato juntos”, conta. Sem influenciar a postura de cada um, levava-os a reflectir como gostariam de aparecer se fossem enviar um “postal” deles mesmos para a família ou amigos.

À fotografia, juntou um questionário, gravado em vídeo, que integra também a exposição que fica até 23 de Dezembro nas galerias de Campanhã e que faz parte do MIP – Mês da Imagem do Porto. Interessava-lhe explorar o conceito de casa – para quem não nasceu em Portugal, o Porto já tinha ocupado esse lugar ou era ainda a segunda geografia? –, perceber diferenças geracionais, conhecer os agregados familiares e as profissões dominantes.

Foto
José Sérgio
Foto
José Sérgio

Sem dados estatísticos, a ideia de explorar lugares, circuitos, rotinas e rituais dos africanos e afrodescendentes no Porto foi um pouco sacrificada. Mas algo deu para compreender: “Existem alguns lugares e pequenos rituais desta comunidade. O que não me parece haver, na constatação de algumas perguntas do meu inquérito, é uma união geral dos africanos”, afirma, diagnosticando, ainda assim, uma “vontade enorme de maior união entre todas estas pequenas ilhas”. Resta saber como encontrar esse “chapéu”.

O trabalho documental de José Sérgio, um “retrato colectivo” que é uma pequena amostra dos “afroportuenses”, revelou uma enorme diversidade: gente nascida em Portugal ou no país há muitos anos, moradores recentes, estudantes, cabeleireiros, trabalhadores na área da restauração. “O Porto já é uma cidade multicultural e estas vidas fazem parte disso”, sublinha o moçambicano nascido em 1970 e a viver em Portugal há mais de 20 anos (mas há apenas dois no Porto). O que talvez falte, diz, é “consciencializar as pessoas para essa presença ou torná-la mais visível.”

José Sérgio não gosta de confundir essa necessidade de maior representação com quotas (“Temos de ser reconhecidos por aquilo que fazemos e não por favor”, argumenta) e preferiu deixar perguntas sobre racismo de fora do seu questionário. Não por o assunto não ser urgente (“É um facto inegável que existe racismo em Portugal. Só quem não vê a actualidade o pode negar”), mas por procurar um outro ângulo. Também ele com punho erguido numa luta contra o silêncio e transparência. O próprio título escolhido para a exposição é consequência disso: “À luz das mais recentes manifestações que foram acontecendo na cidade, com o movimento Black Lives Matter, achei que a ideia de gritar presente era adequada.”