A literatura serve de desculpa para tudo?

Não se escapa facilmente ao espírito de uma época. Eis como em tempos de revolução sexual, Vanessa Springora, 14 anos, passou de musa a personagem de ficção. A partir da cama de Gabriel Matzneff.

Foto
JF PAGA

Passava os dias da sua infância “entre os livros”, como “algumas crianças passam os dias entre as árvores”. Tinha pais com ar de actores de cinema, mas à noite, escondida debaixo das cobertas, ouvia o pai tratar a mãe de “cabra” e de “puta”. Se os pais “são para as filhas umas muralhas”, conta Vanessa Springora no romance autobiográfico Consentimento, o seu era “uma corrente de ar”.