Foto

Megafone

Dizer não aos filmes da Disney?

Produtos de uma cultura, filme a filme perdemos a inocência enquanto aprendíamos a ver o mundo de uma perspectiva só, a perspectiva ocidental onde o homem branco não é apenas dono e senhor da razão, é dono do mundo.

Eu, jovem nascido nos anos 70, confesso ter não só assistido como consumido avidamente todos os desenhos animados da Disney, no cinema e em casa, na televisão e no vídeo, em casa de amigos, de manhã à noite, ao fim-de-semana e nas férias, como se não houvesse amanhã.

Se havia outros? Haver, havia: os do eterno Vasco Granja, mas a versão checa do Mickey não é a mesma coisa. Mea culpa, mea culpa, mea culpa. Estava enfeitiçado. Pela cor, pela animação, os enredos, as histórias de encantar, o sonho, a música, não apenas dos estúdios Disney, mas também de Hollywood. E quem não quer ir para Hollywood? Quem não queria ir para Hollywood?

De pequenos fomos doutrinados aos milhões em largos cinemas ao sábado à noite enquanto nos ecrãs voavam as orelhas do Dumbo, o Vagabundo corria atrás da sua Dama de sempre, o Peter Pan lutava pela Terra do Nunca e Mogli vencia a selva. Em casa reproduzíamos aventuras e heróis de capa e espada, comprávamos livros e pedíamos brinquedos alusivos pelo Natal e nos anos. E ao crescer, impávidos e serenos, revelámo-nos incapazes de compreender quanto mal fizemos ao mundo. A resposta está hoje diante dos nossos olhos e só não vê quem não quer.

A Dama e o Vagabundo? Estereotipa asiáticos nas figuras de dois gatos siameses, ao mesmo tempo comparando mexicanos com cães de sotaque ridículo. E nós ríamos. Dumbo? Menoriza as populações negras do Sul dos Estados Unidos nas peles e vozes de corvos, corvos esses encarregues de ajudar o Dumbo a aprender a voar. E nós aos gritos para que o Dumbo voasse. O Livro da Selva? Caricatura os negros como macacos mandriões. E nós riamos. Peter Pan? Discrimina os índios nativos norte-americanos através de termos racistas e canções. E nós cantávamos.

Produtos de uma cultura, filme a filme perdemos a inocência enquanto aprendíamos a ver o mundo de uma perspectiva só, a perspectiva ocidental onde o homem branco não é apenas dono e senhor da razão, é dono do mundo. A isto chamamos racismo instituído, intrínseco, comportamental, cultural, presente na nossa maneira de pensar e nas decisões do dia-a-dia. Os brancos vencem e todos os outros são animais. Se repetirmos esta mensagem milhares de vezes ao longo de todos os anos de uma criança, teremos um adulto racista. Mesmo que o mesmo não o admita.

E se, por um lado, não podemos erradicar o passado nem as crianças que um dia fomos, por outro nem tudo está perdido. Até porque hoje a Disney faz mais do que reconhecer o conteúdo e as ideologias impróprias de épocas anteriores. A Disney faz por promover uma imagem de igualdade onde heroínas asiáticas como Mulan tomam as rédeas da imaginação. Mas mais, reedita clássicos aos olhos de hoje, como são exemplo recente Dumbo e Dama e o Vagabundo, procurando redimir-se dos erros de há tantos anos. Ao mesmo tempo devolve a voz aos afro-americanos, como é exemplo o filme Black is King de Beyoncé. 

Devemos, por conseguinte, renegar os clássicos mas também a Disney por inteiro? Ou aprender com erros de outras eras, pedir desculpa e abraçar um mundo que se quer não apenas novo mas igualitário? Tudo começa com os nossos filhos, estes filhos e a esperança de um mundo melhor, sem vencedores nem vencidos, nem conquistadores nem conquistados, apenas a vida a tratar-nos como iguais.

Sugerir correcção