Governo divulga calendário que entregou ao BE para contratação de profissionais de saúde

Nos últimos dias têm sido divulgados vários documentos que Bloco e Governo trocaram entre si durante as negociações.

Profissionais de saúde
Foto
Profissionais de saúde rui gaudencio

O Governo divulgou nesta terça-feira a proposta que apresentou ao Bloco de Esquerda, durante as negociações para a viabilização do Orçamento do Estado, para a contratação de 4342 profissionais de saúde ao longo do próximo ano.

A existência ou não de um compromisso objectivo sobre o reforço dos meios humanos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) é um dos temas que tem gerado maior discussão entre o Governo e o Bloco de Esquerda, partido que já anunciou que votará contra na generalidade a proposta de Orçamento para o próximo ano.

De acordo com um documento fornecido pelo executivo, ao longo dos quatro trimestres de 2021, o Governo assume o compromisso de contratar mais 1073 assistentes operacionais, 518 assistentes técnicos, 764 enfermeiros, 1500 médicos, 98 técnicos superiores e 379 profissionais para outras categorias técnicas.

No que respeita ao calendário para a contratação de médicos, com base no mesmo documento, o Governo pretende contratar 379 no primeiro trimestre, 10 no segundo, 1103 no terceiro e oito no quarto.

Em relação aos enfermeiros, na calendarização feita pelo executivo socialista, prevê-se a entrada de 447 no primeiro trimestre, 150 no segundo, 12 no terceiro e 155 no quarto.

Já quanto a assistentes operacionais, o compromisso é de contratar 394 no primeiro trimestre, 170 no segundo, 78 no terceiro e 441 no quarto.

No mesmo documento, consta ainda um calendário em que são indicados os meses das várias etapas em que o executivo pretende abrir os processos para a contratação deste conjunto de profissionais de saúde.

O Governo ressalva depois que, nos números apresentados, não constam as contratações para o INEM, por não pertencer ao SNS, nem o concurso de médicos “do internato de formação de especialista (IFE) da segunda época de 2021, cujas contratações só se concretizam em 2022”.

Sugerir correcção