culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria
culturaipsilon,eduardo-souto-moura,alvaro-siza,museu-coches,arquitectura,brasil,
Fotogaleria

Nuno Sampaio: “Já conseguimos trazer fisicamente para a Casa da Arquitectura mais arquivos brasileiros do que portugueses”

A recepção dos arquivos de Paulo Mendes da Rocha foi uma espécie de “prenda” antecipada do 3.º aniversário da Casa da Arquitectura no seu novo espaço na Real Vinícola. A instituição prepara-se agora para lançar o Edifício Digital, que lhe permitirá expandir a sua acção para novos territórios.

O arquitecto Nuno Sampaio é, desde há cinco anos, o director executivo da Casa da Arquitectura, instituição que, enquanto Centro Português de Arquitectura, está sediada desde há três anos no edifício restaurado da antiga fábrica Real Vinícola, em Matosinhos. O aniversário vai ser assinalado nos dias 20 e 21 de Novembro com a retoma da atenção à obra de Eduardo Souto de Moura, interrompida pela pandemia. Oportunidade para um balanço destes primeiros anos de experiência real da Casa, que recentemente lançou uma nova “lança” no Brasil ao conseguir a doação do arquivo integral do arquitecto “Pritzker” Paulo Mendes da Rocha. “O Paulo percebeu que não existe no Brasil nenhuma instituição como a Casa da Arquitectura”, diz o director.