5G: Suécia proíbe novos equipamentos dos chineses Huawei e ZTE

Empresas chinesas têm vindo a acumular proibições ou bloqueios no acesso ao desenvolvimento do 5G na Europa.

Foto
Reuters/ALY SONG

A Suécia vai proibir novos equipamentos dos grupos chineses Huawei e ZTE na nova rede de telecomunicações 5G como medida de segurança nacional, e os já instalados terão de ser removidos até 1 de Janeiro de 2025, foi hoje anunciado.

Num comunicado divulgado nesta terça-feira, a Autoridade Sueca de Telecomunicações afirma que a proibição é a consequência de uma nova lei adoptada no início do ano e da avaliação das autoridades militares e dos serviços secretos para “assegurar que a utilização das frequências não ponha em perigo a segurança da Suécia”.

A pátria da Ericsson, principal concorrente da Huawei, está assim a seguir a decisão britânica, numa altura em que vários países europeus estão a fechar gradualmente a porta das suas redes de telecomunicações ou estão a considerar fazê-lo, na sequência das sanções dos Estados Unidos.

Em França, o fabricante chinês de equipamento não estará sujeito a uma proibição total no mercado 5G, mas os operadores que já utilizam Huawei terão autorizações de funcionamento limitadas a oito anos.

“Novas instalações em funções centrais para a utilização das bandas de frequência de rádio devem ser realizadas sem fornecedores Huawei ou ZTE”, escreve a autoridade sueca numa declaração.

“Se a infra-estrutura existente nas funções centrais fosse utilizada para oferecer serviços nas frequências em questão, os produtos da Huawei e ZTE teriam de ser removidos até 1 de Janeiro de 2025, o mais tardar”, acrescenta a autoridade.

Se estas funções da rede central forem “dependentes de pessoal ou funções localizadas no estrangeiro, estas dependências devem ser eliminadas e, se necessário, substituídas por pessoal ou funções na Suécia”, declara a autoridade.

A Huawei tornou-se em poucos anos o líder mundial em equipamento de redes de telecomunicações (antenas, etc.), com uma liderança significativa no 5G, e agora ultrapassa a Ericsson, da Suécia, e a Nokia, da Finlândia, em termos de quota de mercado.

A ZTE é também um dos principais fornecedores do mundo.

Quatro operadores foram seleccionados no leilão sueco para frequências de 2,3 e 3,5GHz para a futura rede 5G: o antigo operador histórico Telia, bem como a Hi3G Access (mais conhecido sob a sua marca ‘3’), a Net4Mobility (Telenor/Tele2) e o distribuidor audiovisual Teracom, de acordo com os relatórios divulgados pelo regulador PTS.

O leilão está agendado para começar em 10 de Novembro.

Sugerir correcção