Foto

Megafone

Aos heróis da alimentação

Hoje, dia 16 de Outubro, Dia Mundial da Alimentação, somos convocados a assumir que a alimentação que queremos, para todos, depende também de nós.

Há 75 anos, o mundo pós-guerra uniu-se para fazer crescer dos destroços, alimento para todos. A emergência por alimento levou à inovação e ao desenvolvimento agrícola, pecuário e da aquacultura. A fome e a subnutrição gerais motivaram estratégias globais. Com o passar dos anos, a fome foi diminuindo, apesar do aumento das desigualdades sociais. A produção de alimento, a nível mundial, multiplicou-se, apesar das consequências ambientais. Hoje, o mundo, em plena crise climática, imerso numa pandemia global, já percebeu que as acções continentais e nacionais têm implicações que influenciam todos. A acção local é de responsabilidade geral. 

Há 75 anos nasceu a FAO (Organização para a Alimentação e Agricultura​) e este Dia Mundial da Alimentação surge em sua comemoração. A cada ano, um repto é lançado como um manifesto de alerta à emergência alimentar do momento.

O ano de 2020, como aliás todos os períodos de profunda crise existencial, convida-nos a olhar em redor, mapear, identificar e filtrar prioridades. O Dia Mundial da Alimentação deste ano é um agradecimento público a todos os heróis cujas mãos trabalham para alimentar a humanidade. Um agradecimento público aos que têm, na ténue luminosidade da aurora, a hora de acordar ou deitar, aos que saem e voltam da costa ao mar, aos que seguem a luz do dia a trabalhar a terra, aos que acompanham os animais e os cuidam ao mesmo tempo que gerem a paisagem. Aos que aprendem da natureza a sua sabedoria e a respeitam, aos que procuram, pela melhoria das suas práticas, a defesa das sementes e da biodiversidade alimentar, aos que são guardiões da sabedoria e das variedades alimentares antigas e regionais, aos que transportam matérias-primas, ao que as transformam. E ainda aos que planeiam abastecimentos e pensam refeições, aos que desenham o território, cuidando o fornecimento alimentar, aos decisores políticos que respeitam o direito à alimentação, aos profissionais de saúde que a prescrevem como prevenção da doença e melhoria do estado de saúde. A todos os heróis que assumem como missão o cultivo, a alimentação e a preservação dos recursos, do que somos e do que nutre a todos.

Também é um ano de tomada de consciência mais efectiva, concreta e forte do poder da cidadania individual na manutenção do sistema ou, por outro lado, no contributo e exigência da sua mudança. São inúmeros os heróis que nutrem a implementação de sistemas alimentares locais mais coesos, mais saudáveis, mais identitários, mais sustentáveis a todos os níveis. São já alguns os heróis que arriscam a sua voz e imagem ao pressionar mudanças políticas e são inúmeras as instituições que, com mais ou menos influência, gritam uma mesma e comum visão das acções do presente para que o futuro seja possível.

O Dia Mundial da Alimentação deste ano chama-nos, a todos nós, os que diariamente comemos, a assumir e a responsabilizarmo-nos pelo nosso poder, papel e missão no futuro da alimentação. A cumprirmos a nossa responsabilidade de, juntos, contribuirmos para cultivar, alimentar e preservar sistemas alimentares sustentáveis para todos. Com o que escolhemos comprar e comer, onde, a quem, com que critérios, a que preço (do momento e da consequência a médio e longo prazo), em que quantidade e frequência financiamos empresas, produtores e famílias que mais ou menos conscientemente seleccionamos. Com essas escolhas, regeneramos paisagens, fertilidade e biodiversidade ou a destruímo-las; potenciamos a economia circular ou aumentamos as desigualdades sociais; compactuamos com o aumento da desnutrição (quer seja por fome ou obesidade) ou alicerçamos o cumprimento da necessidade básica que é a resposta ao direito de acesso a uma alimentação segura e saudável para todos.

Hoje, dia 16 de Outubro, Dia Mundial da Alimentação, somos convocados a assumir que a alimentação que queremos, para todos, depende também de nós. Que o agradecimento aos que se dedicam fazê-la chegar até nós nos motive a arcar na pele a missão de cidadãos activos e construtores do futuro pelo que consumimos, pelo nosso estilo de vida e pelo nosso voto político. As nossas acções presentes definem o futuro que queremos, mas também o temos de exigir. Bom Dia Mundial da Alimentação.

Sugerir correcção