Um futuro auspicioso

Música barroca pelo Le Poème Harmonique em Espinho e o jovem compositor Nuno Lobo com o Quarteto Tejo na Casa da Música.

 Le Poème Harmonique na 46.ª edição do Festival Internacional de Música de Espinho
Fotogaleria
Le Poème Harmonique na 46.ª edição do Festival Internacional de Música de Espinho cortesia Festival Internacional de Música de Espinho
beethoven,festival-internacional-musica-espinho,casa-musica,critica,culturaipsilon,musica,
Fotogaleria
cortesia Festival Internacional de Música de Espinho

Decorrido no Dia Mundial da Música, o segundo concerto da 46.ª edição do Festival Internacional de Música de Espinho ficou a cargo do agrupamento Le Poème Harmonique, fundado em 1998, por Vincent Dumestre.

A proposta era um interessante programa de música barroca, combinando as Leçons de Tenèbres, de François Couperin (1668-1733), com cantochão constante de um antifonário francês e outras peças religiosas de Nivers, Clérembault e do próprio Couperin. Predominando o repertório do Tempo Pascal, o alinhamento das peças, a variedade do contraponto, a segurança na execução e mesmo a variedade tímbrica das três vozes femininas contribuíram para que a prestação musical confirmasse as boas expectativas que sobre ela se tinha.

Menos feliz e com consequências sobre a fruição musical foi a concretização do habitual elemento cénico dos Ofícios das Trevas. O apagar das velas, uma a uma, entre peças, foi realizado com passos sonoros num percurso demasiado longo, quebrando a concentração na escuta e o encantamento que a música, só por si, teria conseguido.

Habitualmente realizado no Verão, o Festival de Espinho foi, à semelhança de outros, empurrado para o Outono, resumindo-se este ano a sete concertos, bem espalhados no tempo, até ao seu encerramento, a 6 de Dezembro, com outro agrupamento francês: Le Banquet Céleste.

Muito jovem e com muito menos experiência do que Le Poème Harmonique é o Quarteto Tejo, que esta terça-feira se apresentou na Casa da Música, dias depois de ser admitido na classe do luso-descendente Miguel da Silva (violetista do Quarteto Ysaÿe), no Conservatoire à Rayonnement Régional de Paris. Formado em 2019, o Quarteto Tejo conquistou, no mesmo ano, o Prémio Jovens Músicos na categoria de música de câmara e faz parte de uma novíssima geração que deixa adivinhar um futuro de uma enorme elevação artística.

Com bastante energia, o Quarteto Tejo mostrou trabalho de grande seriedade, estreando uma obra de um também muito jovem compositor portuense (em residência na Casa da Música em 2020) e atirando-se de corpo e alma ao primeiro dos três quartetos Razumovsky, de Beethoven.

Com uma linguagem um tanto convencional associada a um certo ecletismo, nas quatro miniaturas intituladas Fractures [2020], Nuno Lobo (Porto, 1996) deixa claro que aprendeu a usar os instrumentos e que se encontra ainda à procura do seu caminho. Do “ritmo tonal” a um carácter folclórico, passando pelo tom leve da citação (Schubert), assim como pela tensão de retardos que evocam o contraponto renascentista, diversos detalhes lembram uma escola holandesa muito presa às notas e ao tonalismo, pela qual Nuno Lobo passou recentemente, tendo realizado o mestrado em composição em Amesterdão.

Nos antípodas da obra em estreia, o Quarteto Op. 59 nº 1 é uma obra de grande dificuldade técnica e interpretativa e o Quarteto Tejo superou essa prova de fogo, mostrando quão elevado é o ponto de que parte este novel agrupamento. Superou-a de tal modo, com impressionante afinação e um notável trabalho de conjunto, que nos reserva espaço para pensar em questões de estilo e interpretação. Apesar de haver espaço para se mostrar mais afirmativo no primeiro andamento, o conjunto mostra um carácter mais marcado no segundo. O terceiro andamento teve alguns momentos de rara beleza, mas foi mesmo o último — Tema russo — que arrebatou. 

Acompanhemos de perto este projecto, na expectativa de que cresça e viva muitos e bons momentos e que, atrás dele, vários outros quartetos bons povoem este rectângulo à beira-mar plantado.