Alterações climáticas

"Projecto Mose": a estratégia que travou as inundações da tempestade Alex em Veneza

A cidade à beira mar e feita à base de canais sofre com fortes inundações todos os anos. Pela primeira vez, a barragem construída ao longo da entrada da costa preveniu a entrada do mar durante fortes chuvadas da tempestade Alex. 

A barreira "Mose" foi usada pela primeira vez durante o dia de sábado, quando se previa que o nível da água subisse 1,30m Reuters/MANUEL SILVESTRI
Fotogaleria
A barreira "Mose" foi usada pela primeira vez durante o dia de sábado, quando se previa que o nível da água subisse 1,30m Reuters/MANUEL SILVESTRI

Uma barragem às portas de Veneza, criada para prevenir inundações, foi finalmente usada para esse feito e tranquilizou os seus habitantes, depois de anos de cheias que encheram os canais e as ruas da cidade italiana.

"Hoje, está tudo seco. Paramos o mar. Muitas coisas más aconteceram cá, mas agora algo maravilhoso aconteceu", disse o presidente da câmara da cidade, Luigi Brugnaro, numa conferência de imprensa em que brindou aos engenheiros e responsáveis pelo projecto conhecido pelo nome "Mose".

A barragem é composta por 78 barreiras amarelas, fronteiras marítimas físicas que custaram milhares de milhões de euros em fundos europeus. A barragem impede a passagem de ondas e a subida do nível do mar até três metros e foi útil para travar os avanços do mar durante a tempestade Alex. 

No sábado, as autoridades meteorológicas previram uma subida de 1,30m do nível da água - em Novembro de 2019, uma subida de 1,87m foi catastrófica para a cidade, pelo que o valor previsto seria suficiente para inundar muitos negócios. Nesse ano, foram registadas as piores cheias em 50 anos e a vulnerabilidade de Veneza face às alterações climáticas foi simbolizada pelo metro de água que encheu a concorrida Praça de São Marcos.

Sem contar que a "Mose", que começou a ser construída em 2003 e deveria ter ficado pronta em 2016, fosse ser accionada, os trabalhadores da cidade criaram plataformas para transeuntes no centro da cidade. O cepticismo em relação à barragem era grande, já que o atraso nas construções provocado por mais de uma década de gestão corrupta do projecto não deu azo a muita esperança.

Mas a barragem funcionou e, com isso, muitos italianos respiraram de alívio. É um feito que pode fazer a diferença durante largos anos e proteger a cidade do impacto imediato das alterações climáticas e da subida do nível das águas do mar Adriático.

A barreira "Mose" foi usada pela primeira vez durante o dia de sábado, quando se previa que o nível da água subisse 1,30m
A barreira "Mose" foi usada pela primeira vez durante o dia de sábado, quando se previa que o nível da água subisse 1,30m EPA/Elisa Fornari
Na Praça de São Marcos, foram criadas plataformas para transeuntes a prever o pior
Na Praça de São Marcos, foram criadas plataformas para transeuntes a prever o pior Reuters/MANUEL SILVESTRI
Na Praça de São Marcos, foram criadas plataformas para transeuntes a prever o pior
Na Praça de São Marcos, foram criadas plataformas para transeuntes a prever o pior EPA/Andrea Merola
As plataformas elevadas acabaram por não ser necessárias, com a cidade a escapar incólume às chuvas intensas
As plataformas elevadas acabaram por não ser necessárias, com a cidade a escapar incólume às chuvas intensas EPA/Andrea Merola
As plataformas elevadas acabaram por não ser necessárias, com a cidade a escapar incólume às chuvas intensas
As plataformas elevadas acabaram por não ser necessárias, com a cidade a escapar incólume às chuvas intensas Reuters/MANUEL SILVESTRI
Espera-se agora que o sucesso da utilização da "Mose" seja o início de um período sem cheias em Veneza
Espera-se agora que o sucesso da utilização da "Mose" seja o início de um período sem cheias em Veneza EPA/Andrea Merola
Com apenas a chuva para se preocuparem, os poucos turistas presentes em Veneza puderam visitar sem medo a Praça de São Marcos e o centro histórico de Veneza
Com apenas a chuva para se preocuparem, os poucos turistas presentes em Veneza puderam visitar sem medo a Praça de São Marcos e o centro histórico de Veneza EPA/Andrea Merola