Opinião

Não destruam o nosso passado mouro

A Sé é hoje uma igreja cristã; mas foi antes uma mesquita muçulmana e talvez antes disso um templo pagão. Tudo o que vier a ser recuperado dessa história tem de ser preservado e valorizado.

Feitas as contas entre 711, quando as primeiras tropas muçulmanas cruzaram o Estreito de Gibraltar e iniciaram a invasão da Península Ibérica, até à conquista definitiva do Algarve “d’aquém-mar”, em meados do século XIII, o período islâmico da nossa história durou praticamente cinco séculos e meio. É praticamente equivalente, em duração, ao período da Lusitânia romana e do Portugal imperial e colonial — mas é muito menos estudado, conhecido e celebrado do que estes.