Deputados chumbam divulgação imediata e integral de auditoria ao Novo Banco

PS e PSD temem que haja matérias cobertas pelo segredo bancário.

Auditoria foi entregue no Parlamento em Setembro
Foto
Auditoria foi entregue no Parlamento em Setembro SEBASTIAO ALMEIDA

Os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças (COF) rejeitaram nesta quarta-feira o requerimento do Bloco de Esquerda (BE) para divulgação pública imediata e integral do relatório de auditoria especial ao Novo Banco enviado pelo Governo ao Parlamento. O requerimento foi rejeitado com os votos contra de PS e PSD, abstenção de CDS-PP e Iniciativa Liberal (deputado único) e favoráveis de PCP e BE.

Tanto PSD como PS afirmaram que são, por regra, favoráveis a que estas matérias sejam divulgadas publicamente, auxiliando o debate público, mas que não o podem fazer se persistem dúvidas legais de que há matérias que seriam divulgadas cobertas pelo segredo bancário.

Sobre pedidos de esclarecimento aos serviços jurídicos do Parlamento, o presidente da COF, Filipe Neto Brandão, disse que estes já manifestaram de que não é possível dizer “com margem confortável” os elementos sujeitos ou não a sigilo.

Do CDS-PP, Cecília Meireles criticou o Ministério das Finanças por ter classificado o documento como confidencial quando o enviou ao Parlamento, já que não haveria esta discussão se não o tivesse feito, e considerou que grandes devedores que motivam injeções de capital em bancos devem ser divulgados.

Mas afirmou que, segundo o Novo Banco, poderão ocorrer prejuízos por serem divulgadas perdas em activos que estão em processo de venda. “Não posso acompanhar e votar favoravelmente porque pode abrir porta a vitimizações do Novo Banco e não estou disponível", afirmou.

O deputado único da Iniciativa Liberal, Cotrim de Figueiredo, disse que os clientes dos bancos têm direito à privacidade e que se recusa a que alguém que tem dívidas a um banco seja tido como um criminoso.

Se há matérias que dizem respeito a identificação de operações ou pessoas não estou à vontade para ser o Parlamento a levantar o sigilo bancário”, vincou.

Pelo BE, Mariana Mortágua disse que o documento em votação para ser divulgado é o enviado pelo Governo ao Parlamento em que não constam nomes de devedores, mas códigos (o documento à parte que seguiu para os deputados, em que está a relação entre os códigos dos devedores e seus nomes, não seria divulgado - disse).

Pelo PCP, Duarte Alves criticou o Governo por não ter divulgado o documento (quando foi ele que ordenou a auditoria) e notou uma “diferença de pruridos” face a matérias semelhantes, dizendo que no passado o PSD foi logo favorável à divulgação da auditoria à Caixa Geral de Depósitos (CGD), ao contrário do que se passa agora com a auditoria ao Novo Banco.

Em 1 de Setembro, o Governo (Ministério das Finanças) enviou ao Parlamento a auditoria ao Novo Banco (realizada pela consultora Deloitte) com a menção de “confidencial”.

Entretanto, também o Novo Banco enviou o relatório da auditoria, mas expurgando de matérias que considerou confidenciais (são cerca de 17 páginas com informação truncada, com nomes de devedores e operações que deram origem a perdas significativas), sendo esta versão da auditoria a que foi publicada pelo Parlamento.

Sugerir correcção