Torne-se perito

Tubarões exterminados em Angola para vender as barbatanas à China

Denúncia partiu de organização ambientalista e está a ser investigada pelas autoridades angolanas. Sopa de barbana de tubarão é considerado um produto exótico, com poderes medicinais e afrodisíacos na China.

china,asia,pescas,conservacao-natureza,biodiversidade,oceanos,
Foto
Os tubarões são mortos e deixados a apodrecer depois de lhes serem cortadas as barbatanas Reuters/David Loh

Uma enorme quantidade de tubarões está a ser morta na costa de Angola para que a suas barbatanas sejam vendidas à China. A denúncia partiu da organização ambientalista EcoAngola e levou as autoridades angolanas a anunciarem uma investigação esta quarta-feira.

Na semana passada, a EcoAngola fez uma publicação nas suas redes sociais, com vídeos e imagens de tubarões mortos, sem barbatanas, a apodrecer na praia, no município de Cacuaco, nos arredores de Luanda, e em Benguela, e pediu uma investigação.

A primeira denúncia, segundo a publicação feita pela organização, data de 12 de Setembro, quando foi recebida uma chamada anónima que dava conta que raias e tubarões estavam a ser retalhados para remover as barbatanas, sendo os peixes deitados fora. Dias depois, foram enviados alguns vídeos e fotografias que comprovam a denúncia.

“Constatou-se que realmente estavam a ser pescados muitos tubarões propositadamente e apenas para remover as barbatanas”, confirmou à agência Lusa Érica Tavares, directora executiva da EcoAngola, uma organização que está no activo há um ano.

De acordo com os relatos recebidas pela organização, as barbatanas dos tubarões estão a ser compradas por cidadãos de nacionalidade chinesa, não sendo possível apurar a quantidade de tubarões que foi morta.

“Sabemos que isto é um produto exótico na Ásia, que têm feito aquela sopa de barbatana de tubarão, porque acredita-se que tem benefícios medicinais, poderes afrodisíacos”, afirmou Érica Tavares.

No entanto, sublinha a directora-executiva da ONG à Lusa, os benefícios medicinais da barbatana de tubarão “são um mito” que “não é comprovado cientificamente”. Além disso, continua a ambientalista, “esta quantidade de pesca excessiva de tubarões pode causar um grande desequilíbrio na flora e na fauna marinhas, porque os tubarões são predadores e eles conseguem controlar as populações de outros tipos de espécies”.

Esta quarta-feira, o Instituto da Biodiversidade e Área de Conservação confirmou à Lusa que está em curso uma investigação ao extermínio de tubarões no país.

A directora deste órgão, que integra o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente de Angola, confirmou a denúncia feita pelo EcoAngola e admitiu que as autoridades angolanas já suspeitavam há algum tempo deste tipo de práticas, no entanto, ainda não tinham recebido nenhuma queixa, apesar de no aeroporto de Luanda já terem sido feitas várias apreensões a “pessoas que tinham grandes caixas e sacos de barbatanas de tubarão”.

“Nós sabíamos que havia envolvimento de alguns cidadãos asiáticos, principalmente chineses, e esta denúncia, neste momento, veio a confirmar aquilo que nós estávamos a prever”, admitiu Albertina Nzuzi, directora do Instituto da Biodiversidade e Área de Conservação.

Sugerir correcção