Anacom regista mais 15 mil reclamações no primeiro semestre

Regulador recebeu quase 58 mil reclamações nos primeiros meses do ano, mais 35% do que um ano antes. Atrasos na entrega de encomendas e diferendos relativos a facturação e assistências nas telecomunicações estão no topo das queixas.

CTT foram os destinatários de 12,8 mil queixas que chegaram ao regulador até final de Junho
Foto
CTT foram os destinatários de 12,8 mil queixas que chegaram ao regulador até final de Junho Nuno Ferreira Monteiro

A Anacom recebeu 57,8 mil reclamações escritas no primeiro semestre deste ano, mais 15 mil reclamações do que no período homólogo de 2020 (ou mais 35%). Segundo a entidade reguladora das Comunicações, a maioria das queixas foi dirigida ao sector das comunicações electrónicas (69% do total), registando-se um aumento de 25% na comparação com o primeiro semestre de 2019.

Apesar de representarem aproximadamente um terço das queixas (31%), os serviços postais registaram um aumento mais expressivo de reclamações (mais 66%).

A Anacom - Autoridade Nacional de Comunicações já tinha sinalizado que o período de pandemia motivou bastantes queixas dos utilizadores dos serviços. Entre os dias 4 e 10 de Abril registaram-se 1549 reclamações no livro de reclamações electrónico (um aumento de 14% face à semana anterior), muitas delas por atraso na entrega de encomendas e falhas da Internet.

No balanço completo do semestre, o regulador diz que recebeu 39,8 mil queixas sobre comunicações electrónicas e, destas, cerca de um terço referiu-se a temas como a facturação dos serviços, incluindo a “facturação de valores considerados indevidos por não concretização de condições acordadas, por serviços não prestados ou consumos não realizados e após o cancelamento de serviços”.

Outros motivos de queixa que cresceram neste período atípico de teletrabalho e telescola foram “a assistência técnica, as falhas nos serviços, em regra fixos, e a velocidade do acesso à Internet, sobretudo fixa”.

A Meo foi o operador mais reclamado (35% das queixas), seguindo-se a Nos (32%), Vodafone (29%) e Nowo/Oni, com 3%.”

A entidade reguladora destaca que houve um acréscimo de reclamações relativamente a todas as empresas, com excepção da Nowo/Oni, que até registou uma diminuição. Entre os prestadores mais reclamados, a Nos foi o que registou o maior número de reclamações por mil clientes (5), seguido da Vodafone (3) e da Meo (2)”.

Das 18 mil reclamações relacionadas com serviços postais que chegaram à Anacom, a larga maioria teve os CTT como destinatário: 12,8 mil reclamações (mais 39% do que no período homólogo). No caso da empresa DPD, o aumento foi de 330%, com 3,8 mil reclamações.

Cerca de 40% das reclamações relacionou-se com o atraso na entrega de objectos postais, em particular a falta de tentativa de entrega, nos casos de entrega ao domicílio.

Além disso, os clientes dos serviços postais queixaram-se também do atendimento, “sobretudo no que respeita ao custo com as chamadas para as linhas telefónicas e as dificuldades no funcionamento destas linhas”, referiu a Anacom.

Sugerir correcção