Dezenas de dirigentes republicanos anunciam apoio a Joe Biden

Novo esforço para tentar garantir a derrota de Trump inclui responsáveis do Michigan, estado que será decisivo em Novembro.

partido-republicano,partido-democrata,donald-trump,eua,mundo,america,
Foto
Biden vai receber estes novos apoios quando faltam três meses para as eleições Reuters/Kevin Lamarque

Quase cem líderes republicanos e independentes vão anunciar nesta quinta-feira o seu apoio à candidatura do democrata Joe Biden à presidência. Do grupo, “Republicanos e independentes com Biden”, fazem parte os ex-governadores do Michigan e da Nova Jérsia e Bill Weld, que chegou a ser candidato à nomeação republicana para as eleições de 3 de Novembro.

Este novo esforço por parte de republicanos para tentarem travar a reeleição do Presidente Donald Trump também inclui membros e ex-membros do Partido Republicano do Michigan, um dos estados que se antecipam como decisivos para o resultado do voto marcado para daqui a dois meses.

O grupo é liderado por Christine Todd Whitman, ex-governadora da Nova Jérsia que se tornou uma das mais ferozes críticas de Trump — e que há duas semanas surgiu na Convenção Nacional Democrata em apoio do ex-vice-presidente de Barack Obama.

“Biden é um homem decente, é um homem estável”, disse Whitman à Reuters. “Trump está a tentar pintar o mundo de Joe Biden como assustador — mas isso é o que é a América de Trump.” A dirigente acusa Trump de estar a trair os valores conservadores e a minar o Estado de direito e a segurança nacional, mentindo, dividindo os americanos em linhas raciais e falhando aos cidadãos na sua resposta à pandemia de covid-19.

Weld, que foi governador do Massachusetts, desafiou sem sucesso Trump pela nomeação republicana. Outro importante membro deste grupo de apoiantes de Biden é Rick Snyder, que governou o Michigan durante dois mandatos, até 2019.

“Tendo trabalhado com Joe Biden e com Donald Trump enquanto governador, acredito que Biden é a escolha clara para pôr o nosso país de volta a um caminho positivo”, disse Snyder, lamentando o que descreve como tácticas divisivas e de bullying usadas pelo actual Presidente.

Whitman, que chefiou a Agência de Protecção Ambiental (EPA) durante a presidência de George W. Bush, diz que este grupo vai tentar fazer campanha junto de eleitores numa série de estados decisivos (“swing states”), visando particularmente mulheres dos subúrbios e eleitores que não gostam de Trump mas que ainda hesitam em apoiar Biden.

Sugerir correcção