Ana Gomes mantém candidatura a Belém em cima da mesa

Decisão final da ex-eurodeputada socialista será revelada brevemente.

Foto
Ana Gomes rui gaudencio

A socialista Ana Gomes ainda não decidiu se avança ou não com uma candidatura à Presidência da República, mas a decisão final deverá ser anunciada brevemente.

“Estava a fazer essa reflexão em conjunto com o meu marido, quando ele adoeceu e faleceu. Tive de continuar essa reflexão noutras condições, sozinha. O que posso dizer é que estou a chegar ao fim e em breve comunicarei o resultado dessa reflexão”, afirmou na noite deste domingo, no regresso do seu comentário à SIC Notícias.

Ana Gomes afirmou ainda que não se demite de fazer essa avaliação: “Quando falar explicarei, mas não me demito de fazer essa reflexão.”

A ex-eurodeputada revelou a 17 de Maio estar a reflectir sobre uma candidatura à Presidência da República, depois de António Costa ter, ainda que indirectamente, apoiado uma eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa.

Nessa altura teceu duras críticas ao secretário-geral, António Costa, e ao presidente do PS, Carlos César, pela forma como estavam a gerir o dossier das presidenciais e pelo adiamento do congresso do partido.

“Eles não podem fazer pouco de nós. Não podem tratar os militantes como parvos”, afirmou ao PÚBLICO na altura, reiterando que se mantinha em reflexão sobre a eventual candidatura.

“Depois de ouvir Costa e César até fiquei aparvalhada e decidi que, se calhar, tinha de avançar com uma candidatura”, acrescentou ainda.

A partir daí, teve vários apoios dentro e fora do PS, como o do também socialista Francisco Assis, o de Ricardo Sá Fernandes, dirigente do Livre, e do professor universitário Nuno Garoupa, entre outros.

Mas também teve vozes contra, mesmo dentro do seu partido, especialmente Carlos César, que afirmou que “só numa situação limite votaria em Ana Gomes”.

Nas semanas seguintes ao anúncio de que estava a ponderar uma candidatura a Belém, Ana Gomes mostrou sempre, junto dos que lhe são mais próximos politicamente, vontade de avançar.

Porém, teve de adiar a revelação sobre se avançava ou não, assim como a actividade política, em meados de Julho, após a morte do seu marido, o embaixador António Franco.

Neste domingo voltou ao comentário político na SIC Notícias e manteve uma eventual candidatura em aberto.