Avaliação bancária da habitação volta a bater recorde em Julho

Algarve e Área Metropolitana de Lisboa têm os valores medianos de avaliação bancária da habitação por metro quadrado mais caros do país. Maior aumento é na região Norte.

economia,banca,
Foto
Nelson Garrido

O valor mediano de avaliação bancária em Portugal subiu doze euros, para 1127 euros por metro quadrado (m2) em Julho face ao mês anterior, ultrapassando o recorde que tinha atingido em Junho (de 1115 euros por m2), divulgou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Esta variação representa, no entanto, uma desaceleração em termos homólogos. Em Julho, face ao mesmo mês de 2019, houve um crescimento de 8%, enquanto em Junho tinha sido de 8,3% e em Maio de 8,9%.

A pandemia continua a ter impacto no número de avaliações bancárias feitas, embora em menor intensidade. Foram feitas cerca de 20 mil em Julho de 2020, um decréscimo de 15,9% em comparação com o período homólogo, ainda que mais quatro mil avaliações do que em Junho, aproximadamente.

No que diz respeito aos apartamentos, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1229 euros por m2 (dois euros acima do valor nacional), o que corresponde a um aumento de 8,8% face a Julho de 2019. Segundo o INE, o valor mais elevado foi observado no Algarve (1530 euros) e o mais baixo no Alentejo (844 euros).

Já nas moradias, o valor mediano da avaliação bancária foi de 964 euros por m2, mais 7,7% do que no período homólogo. Mais uma vez é no Algarve que se encontram os valores mais elevados (1539), seguido logo pela Área Metropolitana de Lisboa (1513). Foi, inclusive, em Lisboa que se registou o único aumento no país comparativamente a Junho deste ano.

A nível regional, o maior aumento face a Junho foi registado no Norte (1,4%) e a maior redução no Alentejo (-3,5%). Face ao período homólogo é também o Norte que vê a maior subida (mais 10,4%) e o Alentejo o menor aumento (de 2,2%).

De acordo com o INE, as regiões que apresentam valores superiores à mediana do país são a Área Metropolitana de Lisboa (AML), Algarve, Madeira e Área Metropolitana do Porto (mais 36%, 32%, 7% e 1%, respectivamente).

É no Algarve e na AML que se encontram as avaliações mais caras do país. No Algarve, houve uma descida de seis euros, ficando assim o valor mediano do m2 nos 1532 euros. Por outro lado, na AML o valor mediano da habitação por m2 subiu 11 euros para 1488 euros.

Sugerir correcção