Avaliação bancária da habitação atinge novo recorde em Junho

Valor mediano da avaliação bancária foi 1209 euros/m2 nos apartamentos e de 971 euros/m2 nas moradias, crescendo ambos mais de 8% no mês passado

habitacao,conjuntura,empresas,economia,imobiliario,banca,
Foto
rui gaudencio

O valor mediano de avaliação bancária em Portugal subiu um euro, para 1115 euros por metro quadrado (m2) em Junho face ao mês anterior, ultrapassando o recorde que tinha atingido em Maio, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Esta variação representou, no entanto, uma desaceleração do crescimento em termos homólogos: a taxa de variação passou de 8,9% em Maio (face a igual mês de 2019) para 8,3% em Junho, acrescenta o instituto estatístico nacional. 

A nível regional, o maior aumento face ao mês anterior registou-se no Alentejo (3,9%). A única redução foi observada na Área Metropolitana de Lisboa (-0,5%).

A taxa de variação homóloga mais elevada para o conjunto das avaliações verificou-se na Região Autónoma dos Açores (12,9%) e a menor no Alentejo (5,8%), sinaliza o INE.

No mês em análise, o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1209 euros/m2, aumentando 8,4% relativamente ao mês homólogo. O valor mais elevado foi observado no Algarve (1519 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (867 euros/m2).

O valor mediano da avaliação bancária das moradias foi de 971 euros/m2 em Junho, o que representa um acréscimo de 9,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Neste caso, os valores mais elevados observaram-se no Algarve (1612 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1483 euros/m2), tendo o Centro registado o valor mais baixo (844 euros/m2).

O número de avaliações bancárias, segundo o INE, diminuiu de forma acentuada, ascendendo a cerca de 16 mil em Junho, menos 27,5% do que no mesmo período do ano anterior.

Sugerir correcção