Opinião

A teia socialista de Reguengos: triste retrato do país

Num município pequeno e com recursos limitados, onde tudo depende da câmara e passa pela câmara, é da natureza humana que um presidente com este poder ganhe um estatuto semelhante ao dos velhos coronéis brasileiros.

A tragédia de Reguengos de Monsaraz e o relatório tétrico da Ordem dos Médicos sobre o surto no lar levaram a que acontecesse o que quase nunca acontece: jornalistas de grandes meios de comunicação social, sem ligações à cidade, foram ao local ver o que se passava. E o que descobriram é simultaneamente assustador e típico de dezenas e dezenas de municípios espalhados por esse país fora: o presidente da câmara é, na prática, um senhor feudal.