Uma música de um filme sobre escravatura numa dança para Viana?

Usam os trajes de Viana, mas descalças ou com pontas de ballet. Convidam o rancho para dançar com socas e tradição, ao som de uma música cantada em inglês. Afinal, dançaram por Viana de Castelo — mas queriam que “a mensagem de força chegasse a todos”, diz a directora artística Susana Domingues. Stand Up é o grito de alento de uma academia de dança do concelho minhoto que, pela primeira vez em quase 250 anos, vive as romarias d'Agonia “atrás de uma cortina”.

É também o nome de uma música da banda sonora do filme Harriet, cantada por Cynthia Erivo. A actriz  britânica, filha de pais nigerianos, representa Harriet Tubman, activista pelos direitos civis e abolicionista que resgatou centenas de pessoas escravizadas através da rede Underground Railroad. Stand Up é o tema principal do filme biográfico de 2019, com uma letra que remete para a libertação de pessoas escravizadas no Sul dos Estados Unidos da América, durante a Guerra Civil. 

A escolha da canção, que inspirou a coreografia de homenagem às tradições agrárias e à apanha do sargaço e do moliço nas praias, foi contestada nas redes sociais por não se relacionar com as mesmas tradições que quer homenagear. Falou-se em racismo e apropriação cultural. O vídeo foi removido do Instagram devido a essas denúncias, disse na sexta-feira Susana Domingues em comunicado e ao P3. No sábado, através do Facebook, a directora artística reforçou que esses motivos para a remoção do vídeo da Instagram constavam da notificação enviada pela rede social. Porém, após contestação, o Instagram enviou nova mensagem: o vídeo não está na rede social porque viola os direitos de autor da canção. “Recebemos ontem [sexta-feira] um email do Instagram a dizer que não detectaram qualquer conteúdo relativo a racismo. No entanto, pediram-nos os direitos de autor [da música]”, disse Susana Domingues num vídeo publicado no Facebook.

O vídeo realizado por André Cardoso e coreografado por Cristiana Neto conta ainda com a participação do Grupo Etnográfico de Castelo do Neiva e do Rancho Folclórico das Lavradeiras de Vila Franca Vila Franca. Os presidentes da câmara e da Associação de Grupos Folclóricos do Alto Minho e outras personalidades locais têm apelado aos moradores para vestir o traje secular à vianesa como forma de “manter o brilho” da romaria, que se realiza de 19 a 23 de Agosto, mas sem as habituais ruas cheias. Eles já deram o mote pela cidade toda.

Artigo actualizado às 18h31 de 22/08/2020, após esclarecimentos dados por Susana Domingues no Facebook acerca do motivo da retirada do vídeo do Instagram

Sugerir correcção