Índice de transmissão da covid-19 desceu em quase todo o país. Alentejo é a excepção

Entre 16 e 20 de Julho, a nível nacional, o Rt foi de 0,92, confirmando “uma trajectória de decréscimo”, diz o INSA. Alentejo foi a única região onde este valor aumentou, mas é no Algarve onde ele é mais alto.

Foto
Montemor-o-Novo, Évora, Alentejo Daniel Rocha

O índice de transmissão (Rt) da covid-19 em Portugal entre 16 e 20 de Julho diminuiu em quase todo o território nacional, mas há uma excepção: a região do Alentejo. Ainda assim, é no Algarve que este valor é mais elevado. Segundo o relatório publicado esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), que tem feito uma análise semanal destes dados, o índice de transmissão foi de 0,92 a nível nacional, uma diminuição em relação aos 0,96 da semana passada.

De acordo com a análise, “os resultados anteriores indicam que o número de novos casos a cada geração está numa trajectória de decréscimo paulatino a nível nacional”.

Foto
Evolução do valor do índice R(t) em Portugal Instituto Nacional De Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA)

O R é um dos indicadores utilizado a nível internacional para perceber a capacidade de contágio de uma doença e subdivide-se em R0 e Rt. O valor de R0 (0 de zero) mede o número de contágios que acontecem quando a doença tem condições para se disseminar, sem qualquer medida de confinamento, e é calculado no início da epidemia.

Já o valor de Rt (ou efectivo) é relevante nesta fase da epidemia, depois de aplicadas as medidas para conter a propagação da doença, quando o número médio de contactos que um doente infeccioso tem começa a diminuir. Este número médio de casos secundários resultantes de um caso infectado, medido em função do tempo, deve ser calculado ao longo da epidemia e pode ser usado para medir a efectividade das medidas de contenção e atraso.

Na prática, se este valor for igual a 1 quer dizer que uma pessoa infectada vai dar origem a outro caso de infecção. Caso esteja acima de 1, o número de casos irá aumentar; se for inferior a 1, haverá uma diminuição das infecções.

O Rt na região Norte desceu de 1,04 para 0,85, no Centro de 0,99 para 0,94 e em Lisboa e Vale do Tejo (LVT), região que continua a registar grande parte dos novos casos diários no país, de 0,94 para 0,92.

O Alentejo foi a única região do país em que este indicador não desceu entre os dois período analisados. Entre 16 e 20 de Julho o índice de transmissão foi de 1 no Alentejo, um aumento em relação aos 0,89 da semana anterior.

Tal como aconteceu na semana passada, o Algarve apresenta o número mais elevado neste indicador: 1,02. Ainda assim, verificou-se uma diminuição em relação aos 1,17 da semana passada.

Apesar destes valores, o relatório do INSA diz que as regiões Centro, Algarve e Alentejo “continuam a apresentar um nível de incidência pouco elevado e não apresentam um comportamento de crescimento sustentado nos últimos dias”. Já o Norte e Lisboa e Vale do Tejo apresentam “uma trajectória decrescente, com valores inferiores a 1 desde 12 de Julho”.

A nível nacional, desde o início da epidemia, a estimativa do R(t) variou entre 0,81 e 2,38, observando-se uma tendência de decréscimo desde o dia 12 de Março (anúncio do fecho das escolas), com quebras mais acentuadas a 16 de Março (fecho das escolas) e a 18 de Março (anúncio do estado de emergência).