,Público
daniel rocha

Os jovens não se estão nas tintas para os outros, mas apenas fartos

Extremar o braço-de-ferro com os jovens para travar os novos contágios pelo coronavírus poderá “exponenciar a rebelião”, segundo especialistas. A solução, sugerem, passa por promover campanhas com ídolos como o Agir ou Cristiano Ronaldo.

Os jovens que estão a fazer aumentar os casos de contágio porque se reúnem em festas ilegais e aos magotes nas praias e espaços públicos são os mesmos que, em Março e Abril, cumpriram zelosamente o confinamento, completaram a escolaridade à distância e até se prontificaram a ajudar os mais velhos nas compras. “Não são pessoas que se estejam nas tintas para os outros e para o país”, lembra a psicóloga Margarida Gaspar de Matos. Mas, agora que o desgaste lhes pesa, as aulas acabaram e vêem as praias e os festivais de verão escapar-se-lhes entre os dedos, mantê-los distantes socialmente, exige uma campanha feita à medida.