Cannes a acontecer a David Pinheiro Vicente

O acordar dos fantasmas de um Portugal interior: Cordeiro de Deus é uma das 11 curtas-metragens que leva o selo Cannes 2020. A tal edição que não pode ser física, por causa da pandemia, e que é uma marca virtual. Está a ser uma experiência “agridoce” para o realizador.

cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,festival-berlim,festival-cannes,curtas-vila-conde,
Fotogaleria
cinema-portugues,cinema,culturaipsilon,festival-berlim,festival-cannes,curtas-vila-conde,
Fotogaleria

Não há propriamente coisas a acontecer às personagens, é o mundo que lhes acontece. Dizemos isto a David Pinheiro Vicente e ele parece concordar. Começando pelo início das coisas: as suas ideias, precisa, não são ideias de escrita ou de acção – isto é, as ideias que o levaram quer a Onde o Verão Vai (episódios da juventude), curta-metragem que esteve na competição de curtas-metragens da Berlinale em 2018, quer a Cordeiro de Deus, a curta portuguesa que desde ontem é uma das 11 seleccionadas para a competição de Cannes 2020.