É assim que Banksy mostra o seu apoio ao movimento Black Lives Matter

“O sistema está a falhar às pessoas de cor”, escreveu o artista celebrizado pelos seus graffiti na conta do Instagram. Novo trabalho coloca-o ao lado dos que nas ruas protestam contra o racismo em todo o mundo.

Foto
Novo trabalho de Banksy Reuters/@BANKSY INSTAGRAM

Uma bandeira americana pendurada numa parede e com uma das suas pontas a arder devido à proximidade da chama de uma vela colocada junto a um ramo de flores e a um retrato sem rosto definido, em que se vê apenas um vulto negro. Flores e retrato fazem lembrar as imagens de locais onde, depois de atentados terroristas, acidentes ou tiroteios, familiares, amigos e pessoas anónimas deixam as suas oferendas para homenagear quem ali morreu.

Foi esta a forma que o artista Banksy escolheu para demonstrar o seu apoio ao movimento Black Lives Matter, reforçado em seguida pelo que escreveu num post na sua conta da rede social Instagram: “A princípio pensei que devia simplesmente calar-me e ouvir o que tinham a dizer os negros sobre este assunto. Mas porque é que eu faria isso? Não é um problema deles, mas meu.”

Banksy, um dos mais populares artistas contemporâneos, autor de dezenas de graffiti que ao longo dos anos tem vindo a comentar temas políticos e sociais sensíveis, da questão israelo-palestiniana ao “Brexit”, inspirou-se agora na situação que se vive nos Estados Unidos em torno da morte de George Floyd às mãos da polícia e fez questão de dizer que está do lado de todos aqueles que, em todo o mundo, lutam contra a discriminação e o racismo. 

“O sistema está a falhar às pessoas de cor. O sistema dos brancos. Como um cano roto que inunda o apartamento dos vizinhos de baixo. O sistema defeituoso está a fazer das suas vidas uma tristeza, mas não lhes compete a elas arranjá-lo. Não podem, ninguém as deixará entrar no apartamento de cima”, continua Banksy, artista cuja identidade permanece uma incógnita e que, apesar de ter entrado já no circuito dos grandes leilões internacionais, e com estrondo, não deixou de trabalhar na rua, a sua galeria de eleição. 

“Este é um problema dos brancos. E se os brancos não o resolvem, alguém tem de subir as escadas e dar um pontapé na porta”, conclui Banksy no novo post

Este trabalho de Banksy surge numa altura em que os Estados Unidos estão a ferro e fogo com milhares de pessoas nas ruas em protestos anti-racismo que começaram depois da morte de George Floyd, a 25 de Maio, e se estenderam a várias cidades em todo o mundo. 

De acordo dom o diário britânico The Guardian, são esperadas quatro mil pessoas numa manifestação marcada para este domingo em Bristol, a cidade de Banksy.