Da Europa está a cair uma estrela, mostra o primeiro mural de Banksy sobre o “Brexit”

Nova obra surgiu de sábado para domingo num edifício junto ao Porto de Dover. Será demasiado óbvio?

Fotogaleria
O mural de Bansky em Dover Reuters/HANNAH MCKAY
Fotogaleria
Reuters/HANNAH MCKAY
Fotogaleria
Reuters/HANNAH MCKAY
Fotogaleria
Reuters/HANNAH MCKAY
Fotogaleria
O mural representando Steve Jobs, no principal campo de refugiados, em Calais Reuters

Apareceu de sábado para domingo na parede de um prédio em Dover, perto do cais do ferry que liga o Reino Unido ao continente europeu. Mostra um homem, no topo de um escadote, a destruir uma das estrelas do símbolo da União Europeia. Representantes de Banksy, o artista urbano mais famoso do mundo, já vieram confirmar que este novo mural é da sua autoria. E a sua conta no Instagram corrobora a “assinatura”.

Para muitos dos que se habituaram à sua fina ironia política, talvez esta obra, a primeira que faz sobre o “Brexit”, seja demasiado literal. É, pelo menos, mais directa do que a que fez em 2015 na outra cidade portuária do outro lado do canal da Mancha, Calais, em que resolveu chamar a atenção para o problema dos refugiados representando Steve Jobs, o fundador da Apple, com um saco ao ombro e um velho computador na mão direita, lembrando que o antigo patrão da gigante tecnológica, que morreu em 2011 e é um dos principais rostos da capacidade empreendedora americana, é filho de um imigrante sírio.

Desta vez o misterioso artista pôs o operário no topo do escadote a retirar uma das 12 estrelas que formam a bandeira da UE, que reflecte ideais de solidariedade e harmonia entre os povos europeus, recorrendo a um maço e a um escopro, operação que começa a abrir fendas em todo o fundo azul. É lícito dizer que, com o novo mural, Banksy parece argumentar que, ao cair uma estrela, o resto corre o risco de se desintegrar.

A nova obra do artista urbano chega numa altura particularmente difícil no que ao “Brexit” diz respeito, lembra o diário britânico The Guardian, já que as relações tensas entre o Governo da primeira-ministra Theresa May e a UE sobre a saída do Reino Unido da União se tornaram centrais nas eleições de 8 de Junho.