Maria Velho da Costa: a palavra literária em estado de apoteose

A escrita narrativa de Maria Velho da Costa é um condensador de linguagens, isto é, de palavras das mais diversas proveniências que são uma criação de mundos.

maria-velho-costa,premio-camoes,maria-teresa-horta,literatura,culturaipsilon,livros,
Foto
Maria Velho da Costa DR

A obra literária de Maria Velho da Costa, que morreu este sábado aos 81 anos, em Lisboa, reafirma de maneira poderosa um princípio proustiano: “Os belos livros são escritos numa espécie de língua estrangeira”. Desde Maina Mendes (1969), o seu primeiro romance, que se manifestou uma notável atenção à própria matéria da língua e uma capacidade sem igual, na literatura portuguesa, de pôr a literatura em estado de Babel, cruzando linguagens “ouvidas” em regiões geralmente afastadas do universo literário.