Índia e Bangladesh retiram milhões de pessoas da rota do ciclone mais poderoso da década

As cidades e aldeias das regiões costeiras foram evacuadas, enquanto as autoridades tentam pôr milhões de pessoas em abrigos, mantendo a distância de segurança.

O impacto do ciclone Amphan é esperado para quarta-feira na Índia e no Bangladesh
Foto
O impacto do ciclone Amphan é esperado para quarta-feira na Índia e no Bangladesh EPA/PIYAL ADHIKARY

A Índia e o Bangladesh iniciaram a retirada de milhões de pessoas das cidades costeiras antes da chegada de um superciclone. As autoridades estimam que o impacto do ciclone Amphan pode ser o maior da última década.

O Amphan deverá chegar à baía de Bengala na quarta-feira e atingir a zona de fronteira entre os dois países, de acordo com os cálculos das autoridades indianas, citadas pela BBC. Na segunda-feira, os ventos causados pelo ciclone atingiam 240km/h com rajadas de 265km/h.

Até chegar ao continente, o ciclone deverá perder velocidade, dizem os especialistas, mas ainda assim são previstas rajadas entre os 195km/h e os 200km/h. Os responsáveis pela agência de Protecção Civil indiana, citados pela Al-Jazira, prevêem “danos graves à vida e à propriedade” causados pelo ciclone. Para além dos ventos fortes, as regiões costeiras também devem preparar-se para o impacto das ondas gigantes.

As previsões das autoridades bengalis apontam para que o Amphan seja o ciclone mais poderoso a atingir esta região desde o ciclone Sidr, que em 2007 deixou mais de 3500 mortos.

A operação de evacuação está dificultada pelas regras de confinamento para travar o novo coronavírus, sobretudo na Índia, onde dezenas de milhares de pessoas saíram das grandes cidades para as aldeias, grande parte das quais localizadas em estados na rota do ciclone. A Índia espera retirar mais de 200 mil pessoas das regiões costeiras no estado de Bengala Ocidental até ao fim do dia.

O estado de Orissa suspensou a circulação de todos os comboios durante três dias até quarta-feira e algumas autoridades municipais barraram a entrada das pessoas que chegavam às aldeias, muitas depois de longas viagens a pé, diz a BBC.

O Bangladesh quer retirar dois milhões de pessoas para locais seguros e diz ter a capacidade para albergar cerca de cinco milhões em abrigos. O secretário da Protecção Civil do país, Shah Kamal, disse que estavam a ser preparados 12.078 abrigos, incluindo sete mil escolas e colégios, para que as pessoas não fiquem aglomeradas.

A população deve usar máscara obrigatória e luvas, enquanto permanecer nos abrigos.

O Leste da Índia e a costa do Bangladesh são das regiões do planeta mais afectadas anualmente por ciclones, que deixam milhares de mortos. As alterações climáticas aumentaram a sua frequência durante os meses de Abril e Dezembro, mas o número de vítimas mortais tem diminuído nos últimos anos por causa da maior capacidade de evacuação e protecção das populações.

Sugerir correcção