Air France-KLM perde 1801 milhões e espera Verão com forte redução de passageiros

Impacto negativo de Março por causa da Covid-19 levou a um agravamento dos prejuízos de quase 1500 milhões. Air France conta já com um apoio de sete mil milhões de euros do Estado.

Foto
Air France já garantiu sete mil milhões de euros com o apoio do Estado Reuters/BENOIT TESSIER

A Air France-KLM já apresentou os resultados do primeiro trimestre do ano, que apenas por causa do mês de Março e uma pequena parte de Fevereiro (com o cancelamento de voos para a China), são profundamente negativos, com as receitas a caírem 15,5%, para 5020 milhões de euros e o prejuízo a chegar aos 1801 milhões, mais 1477 milhões face a idêntico período do ano passado.

De acordo com o comunicado do grupo, o resultado operacional foi negativo em 815 milhões (agravando-se em 529 milhões) e o número de passageiros recuou 20,1%, para 18,1 milhões por causa dos impactos da covid-19, que está a deixar as frotas de aviões em terra.  

Embora contenham alguns factores extraordinários, os prejuízos do primeiro trimestre são já um sinal do futuro próximo, do grupo e do sector. Para a Air France-KLM, o segundo trimestre vai assistir a uma quebra da ordem dos 95% em termos de capacidade de ocupação disponível. Com o início do processo de recuperação, o desempenho negativo deve atenuar-se para uma quebra de 80% no terceiro trimestre - ou seja, nos meses de Verão.

Olhando um pouco mais para a frente, o grupo sublinha que se prevê um “impacto negativo prolongado na procura por parte dos passageiros”, e que não estima que se volte aos níveis anteriores à crise provocada pela covid-19 “durante vários anos”.

O presidente executivo do grupo, Benjamim Smith, acrescenta ainda que “é preciso ser-se cauteloso nas assunções de recuperação nos próximos meses” devido às incertezas que ainda rodeiam a contenção da expansão do novo coronavírus. Para já, o grupo anunciou que vai apresentar um novo plano estratégico no Verão e avançar com um reposicionamento da sua frota, reduzindo a sua capacidade estrutural em pelo menos 20% no ano que vem.

Aquele que é um dos maiores grupos de aviação a nível europeu é também um dos primeiros a anunciar as perdas trimestrais e a receber apoios estatais. Estes últimos são apresentados como uma peça fundamental para a capacidade de recuperação da Air France-KLM, com o grupo a antecipar perdas de 400 milhões de euros por mês neste segundo trimestre.

Tendo já garantido o acesso a um financiamento de sete mil milhões de euros graças ao apoio do governo francês à Air France (esperando-se ainda a clarificação de ajudas por parte dos Países Baixos à KLM, tendo os dois Estados posições accionistas no grupo), a empresa diz que esse capital extra lhe dá o “oxigénio” necessário para cumprir as suas responsabilidades financeiras e assegurar a recuperação da actividade após a actual crise.

Destes sete mil milhões de euros, quatro mil milhões correspondem a empréstimos bancários garantidos em 90% pelo Estado francês e três mil milhões são empréstimos directos (exigindo em troca uma maior redução das emissões de dióxido de carbono, com menos voos em rota onde haja alternativas viáveis na ferrovia).

Tanto a KLM como Air France estão a voar para Portugal. No caso da primeira, desde 28 de Março que há um voo diário entre Lisboa e Amesterdão, enquanto no caso da segunda os voos entre as capitais dos dois países estão a realizar-se três vezes por semana.

No caso da TAP, a transportadora aérea portuguesa está agora a retomar voos para Paris e para Londres, depois de ter estado a voar apenas para os arquipélagos da Madeira e dos Açores. E falta ainda perceber qual a estratégia do Governo para o reforço financeiro da TAP, onde o Estado detém 50%.