Covid-19: Documento infectado na origem de 20 casos no palácio presidencial do Afeganistão

Funcionários testados mostravam sintomas, pelo que poderá haver ainda mais pessoas doentes. Presidente vê-se limitado a comunicar por videoconferência.

Foto
Ala para o tratamento de doentes com covid-19 em Cabul OMAR SOBHANI/Reuters

Pelo menos 20 funcionários do palácio presidencial afegão deram positivo nos testes de despistagem do coronavírus, que levou o Presidente Ashraf Ghani, de 70 anos, a limitar a maior parte do seu contacto com o staff, usando quase só videoconferências. Um responsável de saúde diz que a causa provável das infecções foi um documento oficial contaminado.

“Um documento contaminado foi enviado de um outro departamento do Governo [para o palácio presidencial] e foi assim que os funcionários foram infectados”, disse um responsável, sob anonimato, à agência Reuters.

“Alguns ainda estavam a trabalhar nos seus gabinetes quando chegaram os testes, e tivemos de os pôr, a eles e às suas famílias, em quarentena”, disse o responsável, acrescentando que pode haver mais pessoas infectadas. A maior parte destes funcionários tinha-se sentido mal e apresentado sintomas da covid-19.

Um porta-voz do Governo afegão, Sediq Segiqqi, disse que os funcionários do Governo já tinham indicações para ficar em casa, e que esta ordem foi prolongada por mais três semanas.

O Afeganistão registou 933 casos de infecção pelo novo coronavírus, mas o número real deverá ser muito maior, porque o número de testes disponível é muito imitado. Pelo menos 30 pessoas morreram com covid-19. O país está além disso a ter problemas de falta de alimentos e ainda a enfrentar renovada violência dos taliban.

O Ministério da Saúde já avisou que se as medidas de contenção não forem melhoradas, o Afeganistão deverá enfrentar uma catástrofe, com a possibilidade de 25 milhões de pessoas ficarem infectadas, o que poderá levar a 100 mil mortes. A confirmarem-se estas estatísticas, diz a Foreign Policy, pode morrer mais gente devido à covid-19 do que as 100 mil vítimas estimadas pela ONU da última guerra no Afeganistão, em que se envolveram os EUA, desde que o conflito se iniciou, há 18 anos.

Sugerir correcção