Há 50 anos chegou a notícia que ninguém queria ouvir: os Beatles acabaram

No dia anterior, McCartney enviara um comunicado à imprensa anunciando o primeiro álbum a solo. No dia seguinte, a notícia não era o álbum, mas aquilo que o comunicado sugeria. “Paul abandona os Beatles”, titulavam os jornais de 10 de Abril de 1970. A banda mais importante do século XX chegava ao fim.

Fotogaleria
Os Beatles no início da história, em 1963, quando ainda lhes era possível caminhar calmamente pelas ruas de Londres HO
Fotogaleria
Os Beatles um ano antes de o serem, quando Paul, John e George respondiam pelo nome de Quarrymen DR
Fotogaleria
Uma década depois, os Quarrymen já eram uma memória distante, os Beatles já se haviam transformado vários vezes, o fim aproximava-se Reuters/HO
Fotogaleria
O humor foi neles tanto factor de atracção como arma subversiva, cor irradiada num mundo a preto-e-branco que rapidamente ganharia colorido garrido Reuters/REUTERS/HO
Fotogaleria
A chegada aos Estados Unidos para a primeira dirgressão americana, em 1964 AP/AP
Fotogaleria
Com Ed Sullivan, o apresentador do Ed Sullivan Show, o programa que os transformou num fenómeno sem precedentes nos Estados Unidos AP/AP
Fotogaleria
O início da British Invasion: depois dos Beatles chegariam os Rolling Stones, os Herman's Hermits, os Hollies, os Animals, os The Who e inúmeras outras bandas britânicas Reuters/HO
Fotogaleria
O produtor George Martin, considerado o 5º Beatle pela proximidade, colaboração e influência no desenvolvimento da banda Reuters/HANDOUT
Fotogaleria
George Harrison com Ravi Shankar, mestre da sitar que seria determinante para o interesse pela música indiana que Harrison verteria nos Beatles MCT/John Malmin
Fotogaleria
Em 1995, The Beatles Anthology, documentário televisivo e edição discográfica, reuniu Paul, George, Ringo e o seu histórico produtor, George Martin, e resultou em Free as a bird e Real love, gravadas a partir de maquetes deixadas por John Lennon Reuters/HO
Fotogaleria
John Lennon foi o primeiro Beatle que perdemos, assassinado em 1980, aos 40 anos, à porta do prédio onde morava em Nova Iorque Reuters/HO
Fotogaleria
George Harrison foi o segundo Beatle a desaparecer, levado por um cancro em 2001, aos 58 anos Reuters/REUTERS/HO

No dia anterior, Paul McCartney enviara à imprensa um comunicado a anunciar o seu primeiro álbum a solo. Fora gravado em casa, com McCartney a tocar todos os instrumentos, acompanhado ocasionalmente pela mulher, Linda. Por isso mesmo, o comunicado referia que era um álbum sobre “lar, família e amor”. O álbum que chegaria às lojas uma semana depois não foi, porém, aquilo em que todos os que leram o comunicado centraram atenções.

No comunicado, sob a forma de entrevista, uma das perguntas abordava planos futuros para gravações com os Beatles. Não existem, respondeu McCartney. Antevê um tempo no futuro em que a parceria de composição Lennon-McCartney volte a tornar-se activa?, perguntava-se depois. A resposta veio na forma de três letras, uma palavra: “Não”. No dia seguinte, do Daily Mirror ao New York Times, as capas anunciavam a monumental novidade: “Paul abandona os Beatles” — que era o mesmo que dizer, os Beatles acabaram. Foi exactamente há 50 anos, a 10 de Abril de 1970. 

Sete meses antes, fora editado Abbey Road, o último álbum a ser gravado pela banda e o penúltimo a ser editado. Em Maio de 1970, Let it Be chegava para encerrar a discografia. Desaparecia a banda mais importante do século XX, a banda que foi mais do que uma banda, que representou um levantamento cultural, um sobressalto social, uma banda que, disco após disco, absorveu as rápidas mudanças e, ao mesmo, foi instigadora das mesmas. Fê-lo do grito juvenil de She loves you à exploração vanguardista em estúdio de Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, da vitalidade e alegre rebeldia de Hard Day's Night, o filme, ao psicadelismo de Yellow Submarine, o cinema de animação, do interesse pela música indiana de Harrison ao apreço, tanto pelo cancioneiro pré-Segunda Guerra Mundial quando por compositores como Stockhausen, de McCartney.

Uma foto revelada esta sexta-feira mostra-os antes de tudo começar verdadeiramente. Descoberta pela empresa especializada em artigos históricos musicais Track LTD, mostra John Lennon, Paul McCartney e George Harrison em actuação em Liverpool, em 1959. Eram nessa altura os Quarrymen, uma das muitas bandas da cidade a canalizar para Inglaterra a energia rock'n'roll vinda dos Estados Unidos. No ano seguinte, os Quarrymen transformavam-se em Beatles. Em 1962, o primeiro baterista, Pete Best, dá lugar a um certo Ringo Starr. Dia 5 de Outubro desse ano foi editado Love me do, o primeiro single da banda. O futuro acabara de chegar e demorar-se-ia pelos oito anos seguintes, farol de mudança numa década vivida a um ritmo avassalador.

Dia 9 de Abril, McCartney precipitou o desenlace inevitável para todas as tensões vividas nos bastidores entre os Fab Four. Havia um George Harrison que se sentia menorizado e que queria mais espaço para gravar as suas canções, havia os rumores de que a presença de Yoko Ono destabilizara o equilíbrio da banda, havia a evidência de que tinham crescido juntos a viver algo único, inimaginável, e que era impossível isso não deixar consequências. Havia sinais de que o fim estava próximo — Lennon a exclamar numa reunião que queria “o divórcio” —, havia sinais de que, na verdade, tudo continuava como antes — noutra reunião, pela mesma altura, a banda combinava calmamente pormenores em relação a um novo álbum.

Até que chegou o comunicado de McCartney a anunciar o seu álbum. “Não”, respondeu ele duas vezes. O destino ficava selado. “Os Beatles acabaram”. Notícia do dia. 10 de Abril de 1970.