A história de “Le Amiche Geniali” (As amigas geniais) de Pisa*

Pequena história de como a vontade de fazer supera quase tudo, numa Itália mergulhada numa profunda crise por causa da pandemia de covid-19.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Esta história começa com um telefonema do chefe de Oncologia do Hospital Lotti de Pontedera (província de Pisa) para mim, como presidente da “Non più sola”, uma associação de voluntários que lida com pacientes com cancro.

Antes do novo coronavírus, estavam presentes todos os dias no Departamento de Oncologia ao lado dos pacientes, para oferecer serviços úteis. Após o primeiro decreto, já não foi mais possível entrar no hospital. Os profissionais de saúde notaram que os pacientes com cancro estavam a ter dificuldades para entrar só, sem ninguém que os acompanhasse para fazer a quimioterapia; eles chamaram-me para pedir máscaras para os pacientes e os seus acompanhantes.

Confiante nos meus contactos, telefonei a farmacêuticos amigos, às lojas de artigos sanitários, mas a resposta foi desesperadamente negativa. Depois, tomada por uma angústia indescritível, escrevi um apelo urgente no nosso WhatsApp para as mulheres; aquelas que tiveram cancro, quase todas cancro da mama, e que se costumam encontrar no ginásio para fazer a ginástica de reabilitação que organizamos.

Neste apelo urgente anunciei que a oncologia precisava de máscaras para os pacientes e os seus acompanhantes. Elas organizaram-se encontrando pensos rápidos e gaze com os quais fazer máscaras descartáveis para o dia seguinte. Logo em seguida, Nicoletta, Maura, Elisabetta e Emanuela organizaram-se para comprar o material e iniciar a produção de máscaras cirúrgicas em tecido não tecido (Tnt). O Tnt foi comprado a baixo custo nas lojas da Agraria, foi lavado à máquina com detergente Napisan e com a máquina de costura confeccionaram rapidamente centenas de máscaras. Na primeira semana as mulheres conseguiram entregar as máscaras a um voluntário que foi de Cascina a Ponsacco para recolhê-las. Depois, os movimentos tornaram-se mais difíceis! Então Elisa, que é voluntária na Misericórdia de Ponsacco, entrou em contacto com Nicoletta, sua vizinha, para levar as máscaras ao Hospital de Pontedera, onde ela vai três vezes por semana para levar um paciente ao hospital para fazer diálise, com a carrinha dos serviços sociais.

Entretanto, outras associações também nos pedem máscaras para os seus voluntários que cuidam dos idosos levando comida e medicamentos a casa sem máscaras de protecção; decidimos oferecer máscaras em troca do seu serviço em casa também aos doentes com cancro em Pontedera.

Bea e Lucia juntam-se ao grupo das amigas geniais, e é através do marido da Bea, Andrea, que a distribuição de máscaras se torna mais eficiente. Andrea entrega pão integral e orgânico de uma empresa da Valdera a todas as lojas orgânicas da Valdera, mas também de Pisa; pode circular sem restrições e abraçou a nossa causa. Através da Andrea, as máscaras são recolhidas nas casas das suas amigas geniais e ao mesmo tempo ele entrega-lhes o tecido. Conseguimos distribuir as máscaras para outras associações que nos pedem: Misericórdia, Assistência Pública, Hospício de Pisa, amigos e amigas que fazem radioterapia em Pisa, quimioterapia em Pisa e Lucca; e para se ter uma ideia de como isso acontece transcrevo uma “ordem de serviço” escrita no WhatsApp desta noite das “amiche geniali”: “...Elisabetta leva 105 máscaras para Oncologia di Pontedera, Andrea retira 50 máscaras de Maura (Forcoli) de Nicoletta (Ponsacco) 30 máscaras, deixa 30 máscaras para Eva S. Sisto, depois deixa para Anna Pisa 110 máscaras e o pão de Floriddia...”

O grupo das amigas geniais torna possível o impossível!

*Anna, 84 anos, PhD em Ciência da Terra

Sugerir correcção