Covid-19 gera 300 mil desempregados em Espanha no “pior mês da história”

Número de inscrições nos centros de emprego disparou com o agravamento da crise da covid-19 a partir de meados de Março. É o “pior mês da história”.

Foto
O mercado laboral em Espanha piorou a partir de 12 de Março LUSA/KAI FOERSTERLING

Os efeitos da crise social e económica causada pela propagação do novo coronavírus em Espanha já são visíveis nos primeiros números do mercado laboral. Os centros de emprego espanhóis registaram 302 mil novas inscrições em Março quando se compara com o mês anterior, ao mesmo tempo em que o número de trabalhadores a pagar contribuições sociais também baixou de forma significativa.

A Segurança Social da quarta maior economia da zona euro perdeu, num mês, mais de 800 mil contribuintes. A 31 de Março, tinha 18.445.436 registos, menos 833.979 do que no último dia de Fevereiro.

Embora, em termos médios, os serviços de previdência tenham registado em Março 19.006.760 afiliados e a diferença média face a Fevereiro seja na ordem dos 243 mil, o Ministério do Trabalho sublinha que a comparação entre o último dia de cada um destes meses é aquela que evidencia, “com maior fiabilidade, neste momento, a evolução do emprego e a repercussão da crise provocada pela covid-19”, pois foi em meados de Março (a partir de dia 12) que o mercado laboral começou a sentir o impacto da propagação do novo coronavírus, associado ao confinamento e ao encerramento massivo de estabelecimentos.

Nestas últimas semanas foram destruídos tantos postos de trabalho como nos primeiros cem dias da crise desencadeada pela queda do Lehman Brothers em Setembro de 2008, disse o ministro da Inclusão, Segurança Social e Migrações, José Luis Escrivá, citado pela publicação Cinco Dias.

Segundo país europeu com mais casos identificados de covid-19 (mais de 100 mil) e mais mortes causadas por esta doença (dez mil), Espanha enfrenta uma crise sanitária extrema que levou o governo liderado por Pedro Sánchez a mandar encerrar todos os sectores económicos considerados não essenciais.

Mesmo tendo restringido temporariamente os despedimentos por causas económicas durante a crise da covid-19, e tendo imposto a renovação automática dos contratos a prazo durante este período excepcional, a rápida evolução das inscrições nos centros de emprego mostra como a sucessão de acontecimentos já se faz sentir nos primeiros números oficiais. Espanha acaba de registar em Março, segundo o El País, o “pior mês da história” em termos de emprego. Uma dimensão amplificada pela comparação que o ministro espanhol fez ao lembrar o que se passou na crise financeira.

Se nos 12 primeiros dias de Março o número de pessoas inscritas só tinha aumentado em 2857, o número total de novas inscrições do mês de Março acabou por ser de 302.265, um aumento de 9,31% em relação a Fevereiro. “O total de desempregados, calculando este aumento, é de 3.548.312”, indica o Ministério do Trabalho espanhol no seu site, referindo que houve uma subida de 13,3% no desemprego entre os homens e de 6,5% entre as mulheres.

Na construção houve uma subida de 23% no número de desempregados; na indústria, de 9%, uma subida idêntica à que se verificou nos serviços, embora seja aqui que o número absoluto de desempregados mais tenha crescido (mais 206 mil); e na agricultura, houve um crescimento mensal do desemprego de 4%.

Entre os cidadãos que não tinham um emprego anterior e que se inscreveram, a subida foi de 2%. Foram 4984 estas situações, o que faz com que a passagem de pessoas de situação de emprego para inscrições à procura de trabalho foi de 297.281.

Olhando só para o que se passou a partir de 12 de Março até ao último dia do mês, o número de contribuições baixou em quase 900 mil (resultantes da “diferença” entre os 19,3 milhões registados a 11 de Março e os 18,5 milhões de dia 31 de Março, explica a nota do Ministério do Trabalho).

Segundo o Governo, os números de pessoas inscritas na Segurança Social incluem os 258,6 mil trabalhadores que entraram em layoff até àquele momento (sendo que, hoje, são já cerca de três milhões as pessoas abrangidas pelo regime de regime de regulação temporária de emprego (conhecido em Espanha por ERET). Simetricamente, os dados do desemprego registado não consideram os trabalhadores com os contratos suspensos ou com horário reduzido porque não se encontram em situação de desemprego.