Covid-19: OCDE considera “pertinente” emissão de “coronabonds” na UE

Economista chefe da OCDE diz que faz sentido a ideia de utilizar instrumentos comuns capazes de financiar os gastos de saúde relacionados com a pandemia.

Falta de coordenação entre os líderes europeus na gestão da crise tem de ser corrigida, avisa Laurence Boone
Foto
Falta de coordenação entre os líderes europeus na gestão da crise tem de ser corrigida, avisa Laurence Boone LUSA/OLIVIER HOSLET

A economista chefe da OCDE, Laurence Boone, considerou nesta segunda-feira que é “pertinente” a emissão de dívida comum na zona euro alertando que falta coordenação entre os planos dos vários Estados-membros que estão a agir de forma unilateral. 

Em entrevista à publicação francesa Les Echos, Boone explica que “é pertinente a ideia sobre instrumentos comuns capazes de financiar - de forma solidária - os gastos de saúde ou relacionados com a gestão por causa do coronavírus”.

Trata-se de um mecanismo “importante porque na União Europeia fazem-se poucas transferências numa altura em que o vírus afecta todos sendo que os países não têm todos os mesmos meios de enfrentar” o problema, assinalou a responsável da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico).

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infectou mais de 697 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 33.200.

Dos casos de infecção, pelo menos 137.900 são considerados curados.

Para Laurence Boone, os países da União Europeia podem vir a utilizar o mecanismo sobretudo porque o Banco Central Europeu (BCE) já “cumpriu a sua parte” oferecendo condições de financiamento o que, afirmou, “tranquilizou” os mercados permitindo absorver as novas emissões de dívida que se prevêem. 

A economista francesa sublinha que a disparidade entre os planos apresentados pelos vários países europeus faz com que seja complicado fazer uma avaliação. 

“Outro exemplo da falta de coordenação na Europa relaciona-se com as ideias sobre as paralisações laborais (a tempo parcial) mas ninguém o está a fazer da mesma forma fazendo com as empresas estejam a tomar medidas diferentes nos vários países”, acrescentou. 

Em termos gerais, Boone insiste que a “evidente falta de coordenação na gestão da crise” tem de ser corrigida. 

Sugerir correcção