Coronavírus: as informações falsas que limitaram (mesmo) a ida de idosos ao supermercado

Informação sobre horários específicos para os mais velhos entrarem nos supermecados nunca foi confirmada, mas alguns jornais avançaram-na. Ainda assim, e na sequência do surto de coronavírus, há quem tenha sido barrado quando foi às compras.

Varejo
Foto
Ali Yahya

Circulou em redes sociais e chegou mesmo às notícias. A informação dava conta de que os supermercados passariam a ter horário de atendimento exclusivo para idosos na sequência do estado de emergência. A medida não consta no decreto entretanto publicado, mas há supermercados que limitaram o acesso a idosos esta sexta-feira de manhã.

Quem, com mais de 65 anos, tentou entrar no Meu Super, na Rua de Santos Pousada, no Porto, entre as 10h e as 12h desta sexta-feira, foi surpreendido por limitações no acesso ao interior da loja. Ao PÚBLICO, fonte da cadeia de supermercados confirmou as restrições impostas: “Limitamos o acesso porque lemos a lei na Internet na quinta-feira”. “Agimos de boa-fé, depois de termos visto as informações nos jornais e nas redes sociais. Mas, como isto não é oficial, amanhã já voltamos à normalidade”, sublinhou.

A informação em causa circulou nas redes sociais e foi mesmo notícia em alguns órgãos de comunicação social, horas antes de António Costa anunciar as regras para o estado de emergência, que entra em vigor a partir das 0h de Domingo. 

O alegado documento do Governo, que o PÚBLICO optou por não publicar, dava conta de que as pessoas com mais de 65 anos ficariam proibidas de frequentar supermercados, salvo nas primeiras duas horas diárias de funcionamento, horário exclusivamente reservado para o atendimento dos mesmos.

Ao PÚBLICO, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) informa que tal informação nunca foi transmitida aos associados. Ainda assim, algumas empresas "estão proactivamente a aplicar horários específicos para algumas franjas da população e estão a ser pensadas soluções dedicadas aos maiores de 65 anos”

A medida não vai entrar em vigor em Portugal, pelo menos por agora, mas está a ser praticada por supermercados de alguns países, como a Inglaterra ou a Austrália, que enfrentam também o surto de coronavírus, que já fez mais de 10 mil mortes e infectou perto de 250 mil pessoas em todo o mundo, segundo dados actualizados esta sexta-feira.

“Quando a ameaça é a própria vida, as pessoas assimilam qualquer informação”

Desde falsos áudios de médicos, com números de infectados e mesmo de mortes nunca confirmados, até conselhos nunca validados sobre como se comportar em segurança, as redes sociais têm sido um veículo de desinformação. Só esta semana, de acordo com o grupo de trabalho do Serviço Europeu de Acção Externa contra fake news, da União Europeia, foram detectados 30 casos de desinformação relacionados com a covid-19.

O problema, apesar de potenciado pelo desenvolvimento das redes sociais, não é novo. Dannielle Kilgo, da Universidade do Indiana, acompanhou o fenómeno das notícias falsas aquando dos quatro casos de ébola registados nos EUA, em 2014. “Em episódios de pânico, as pessoas tendem a confiar nos mais próximos para receber informação e não verificam os dados”, explica.

Uma realidade que, segundo conta Sérgio Denicoli, especialista em comunicação da Universidade do Minho, é agravada pelo período de isolamento em casa. “Há muita gente a navegar na Internet e a profusão de informação é muito mais rápida e chega em formatos que não são habituais. O decreto de lei deve ter passado oficial, tal como há as imagens dos falsos médicos a usar bata”, descreve. Elementos que, combinados, se transformam num cocktail eficaz para a propagação de informação falsa. “Quando a ameaça é a própria vida, as pessoas tendem a absorver qualquer informação. Perante o medo, e com a possibilidade de se protegerem de qualquer risco, o filtro é muito baixo”, refere o investigador.

E nem os jornalistas passam incólumes a estas situações de risco, estando mais vulneráveis a cometer erros. “Devem privilegiar, sempre que possível, as fontes oficiais e deixar de lado o que é partilhado nas redes sociais, mesmo por quem normalmente é confiável”, recomenda Danielle Kilgo