Coronavírus: iate proveniente de Itália impedido de atracar na Madeira

Iate que partiu de Itália, onde o surto de coronavírus já matou mais de 600 pessoas, está à espera de autorização para atracar na ilha da Madeira.

,São Vicente
Foto
Iate que veio da Itália impedido de atracar na Madeira NUNO FERREIRA SANTOS

Um iate proveniente de Itália foi impedido de atracar na Madeira, e obrigado pelas autoridades regionais a cumprir um período de quarentena ao largo do Funchal, antes dos ocupantes poderem desembarcar na ilha.

O caso foi dado como exemplo, esta quarta-feira de manhã, pelo presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, de como a região autónoma está a procurar conter e impedir a disseminação de uma epidemia de covid-19 no arquipélago. “É um exemplo de como nós conseguimos, de certa maneira, ter algum controlo”, disse Albuquerque, durante uma conferência de imprensa na qual foram apresentadas as medidas de recomendação e o plano de contingência face ao surto de coronavírus.

O iate em causa, o ‘Playpen’, partiu do porto italiano San Remo a 4 de Março, e tem chegada prevista para o meio-dia desta quinta-feira. “Já enviamos um email para o comandante do navio, indicando que se ele pretender atracar no Funchal, tem de ficar ao largo, de quarentena, até ao dia 17 de Março”, adiantou ao PÚBLICO Luís França, o responsável pela Funchal Marítima, a agência de navegação responsável pela operação do navio na Madeira.

O ‘Playpen’, que passou primeiro pelo porto espanhol de Palma de Maiorca, nas ilhas Canárias, viaja com oito tripulantes e sem passageiros, e tinha prevista uma escala técnica de dois dias na Madeira, antes de atravessar o atlântico rumo a Granada, na América Central.

Se quiserem desembarcar, só o podem fazer a partir do dia 18 de Março, após autorização do Delegado de Saúde”, acrescentou Luís França, explicando que o iate está a reposicionar-se da Europa para a temporada de cruzeiros da américa. Para já, repetiu Albuquerque durante a conferência de imprensa, fica em quarentena.

Também em quarentena, continua o casal de dinamarqueses que à revelia as indicações daquele país, decidiu viajar para a Madeira de férias. O filho de ambos foi internado com coronavírus a 1 de Março, e os pais deviam ter ficado em isolamento até 14 de Março. Não cumpriram, e chegaram à Madeira no domingo, mas as autoridades regionais estavam já avisadas pelas congéneres dinamarqueses e isolaram os turistas no hotel.

Dinamarqueses que furaram quarentena podem ser alvo de procedimento judicial

“Nós recebemos a informação e foi graças a ela que conseguimos fazer o isolamento dessas pessoas”, contou o presidente do governo madeirense, não poupando críticas ao casal. “São senhores que estavam proibidos de sair do país, desobedeceram à ordem de quarenta pondo em risco um conjunto de pessoas, uma comunidade inteira”, disse, considerando o caso como “criminoso” e que poderá ter consequências judiciais. Para já, continuou, queremos que fiquem em quarentena, e depois veremos. “O Ministério Público deve ter conhecimento do caso, pelo menos oficiosamente.”

A principal preocupação do governo, reforçou, é a segurança e o bem-estar da população e dos turistas, que são o principal motor económico da região autónoma. Por isso, do encontro desta manhã, que juntou além de Albuquerque, o vice-presidente do governo madeirense (Pedro Calado), os secretários regionais da Saúde (Pedro Ramos), da Economia (Eduardo Jesus), da Educação (Jorge Carvalho) e da Inclusão (Augusta Aguiar), além de responsáveis pelo Serviço Regional de Saúde, Protecção Civil e Aeroportos, saiu uma série de medidas e orientações para vigorar até ao final de Abril.

As escolas, “dada a circunstância de não se ter registado qualquer caso positivo na Região”, vão manter-se abertas e em normal funcionamento. São, justificou, espaços sob vigilância, me que qualquer caso suspeito pode ser rapidamente sinalizado controlado. “Todas as escolas da rede pública e privada ficam obrigadas a criar um espaço de ‘isolamento’ dos casos suspeitos que se verificam”, determina o governo madeirense, que decidiu suspender todos os eventos escolares que implicam ajuntamentos de alunos e professores, e que não decorram do normal funcionamento das turmas.

Recomendando que a população evite viagens “não essenciais” a locais de transmissão comunitária activa e a zonas do país com casos confirmados de covid-19, e recomendando o adiamento de viagens de finalistas, o executivo regional decidiu suspender todos os eventos nacionais e internacionais, sejam escolares, desportivos, culturais ou científicos até ao final de Abril.

As competições regionais desportivas estão suspensas para escalões de formação até aos 13 anos, e a participação de profissionais de saúde em eventos formativos ou científicos, está também restrita. 

Hotelaria com quebra de 20%

O arquipélago, tal como os Açores, ainda não tem nenhum caso registado de coronavírus, mas tem sentido já o impacto da doença. A hotelaria regista uma quebra média de 20% nas dormidas, e o movimento aeroportuário, que vinha a crescer em Fevereiro 9% face ao período homologo, sofre agora uma descida a rondar os 4%.

Por isso, e ao mesmo tempo que está a implementar um procedimento obrigatório de questionários de avaliação de risco na hotelaria e alojamento local, o Funchal apresentou um pacote de medidas para minimizar os efeitos económicos, em linha do que tem sido divulgado a nível nacional.

Acesso à linha de crédito de apoio à tesouraria; moratória de 12 meses na amortização de subsídios reembolsáveis de projectos comunitários que vençam até 30 de Setembro deste ano; prorrogamento de prazos para cumprimento de obrigações ficais, pagamento de baixas a 100%, desde o primeiro dia, para trabalhadores obrigados ao confinamento temporário; um regime de lay-off durante seis meses, em que é garantido 2/3 do salário (30% suportado pela empresa e 70% pela segurança social); e um apoio financeiro para as empresas no final do período de lay-off, são algumas das medidas aprovadas.

“A dinâmica da evolução epidemiológica desta doença, que, atento o princípio da precaução, sem prejuízo do princíoio da proporcionalidade, exige a implementação de medidas temporárias excepcionais no contexto regional”, justificou Miguel Albuquerque.