Coronavírus: motins contra medidas de contenção fazem 12 mortos nas prisões italianas

Autoridades dizem que a maior parte das mortes se deveu ao consumo de drogas que foram roubadas dos hospitais das prisões

Motim da prisão
Fotogaleria
Prisioneiros do estabelecimento prisional de San Vittore, em Milão Reuters/FLAVIO LO SCALZO
,Prisioneiro
Fotogaleria
Ocupações e protestos decorrem em 10 prisões italianas Reuters/FLAVIO LO SCALZO

O número de mortos em motins nas prisões italianas, por causa das restrições impostas para conter o surto de covid-19, subiu para 12 esta terça-feira.

As restrições nas visitas geraram os primeiros motins no domingo, quando se registaram alguns incêndios, tomadas de reféns e até fugas.

As autoridades conseguiram controlar os incidentes mais violentos esta terça-feira, mas há ocupações e protestos a decorrer em 10 prisões. Todos os reféns, a maioria guardas e trabalhadores da saúde, foram libertados.

Sete presos morreram na prisão de Modena no domingo e na segunda-feira. Esta terça-feira, dois outros foram encontrados mortos nas mesmas instalações, bem como outros três numa prisão em Rieti, a nordeste de Roma.

As autoridades dizem que a maior parte das mortes se deveu ao consumo de drogas que foram roubadas dos centros médicos das prisões, durante os motins.

Em Foggia, 50 detidos fugiram da prisão na segunda-feira – 22 foram capturados nas horas seguintes, segundo o Ministério da Justiça.

Os protestos e motins começaram depois das autoridades restringirem o contacto dos presos com a família, numa tentativa de impedir que o vírus se alastre ainda mais.

As prisões italianas acomodam cerca de 61.250 prisioneiros, mais 10.000 daquela que é a sua capacidade, o que torna os presos, guardas e trabalhadores mais vulneráveis a possíveis contágios. 

Sugerir correcção