Festival

Cores e mais cores: o Holi e “o triunfo do bem sobre o mal” na Índia

Reuters
Fotogaleria
Reuters

Cheio de colares, anéis e pulseiras, num templo em Barsana, na Índia, um homem dança alegremente no meio de uma roda humana que parece ter-se constituído de propósito para si. Numa cerimónia lúdica, no centro da cidade histórica de Nandgaon, os homens protegem-se dos paus de bambu com que as mulheres lhes batem. No ar, assim como nos rostos de quem ocupa as ruas, está sempre o gulal, esse pó colorido e perfumado usado na celebração dos rituais hindus. Roxo, vermelho, azul. Tons que nunca mais acabam — e que, de Norte a Sul, nos dias 9 e 10 de Março, encheram a Índia em mais uma edição do festival Holi, que “simboliza o triunfo do bem sobre o mal”.

Todos os anos, esta festa aproveita o aproximar da Primavera para comemorar “novos inícios”. Milhares de cidadãos juntam-se um pouco por todos os cantos do país. A cidade de Nova Deli e o estado de Uttar Pradesh ficam repletos de pessoas que se adornam umas às outras com os característicos pós caleidoscópicos. Cada cor assume um significado próprio. O vermelho ilustra o amor, o verde representa a felicidade, o amarelo simboliza o conhecimento. Ouve-se música e dança-se. Atiram-se balões de água. Acendem-se fogueiras para a realização de louvores. É uma festa que, apesar de também se celebrar noutros países, tem na Índia o epicentro, e que se faz com o objectivo de “unir a comunidade” e colocar um fim aos conflitos.

Este ano, apesar de tudo, o festival ficou marcado pelos medos relativos ao novo coronavírus. Houve quem não se juntasse à multidão sem uma máscara protectora — e o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, chegou a escrever no Twitter sobre os riscos de grandes ajuntamentos de pessoas num tempo em que a epidemia continua a provocar novos casos, anunciando também que não ia estar com o resto da comunidade nas ruas. Lojistas queixaram-se de uma quebra nas vendas depois de circularem rumores que os pós usados no Holi haviam sido importados da China e muitas cidades cancelaram alguns eventos devido à ameaça do surto.

Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Reuters
Sugerir correcção