Opinião

A Laura

Por tudo o que nos deste, em particular nos momentos mais difíceis, obrigada, Laura. Continuaremos a ver o teu sorriso nas estrelas do céu e no mais pequeno grão de areia.

Há seres humanos que só por existirem nos fazem bem e nos inspiram confiança na Humanidade, constituindo um contraponto à maldade, à inveja, ao deslumbramento, à indiferença, que predominam na nossa sociedade.

1. Conheci Laura Ferreira há muitos anos, num casamento. Confesso que a sua simplicidade e o seu sorriso eram espantosos, em anos em que o exibir era tudo, coisa que ainda não passou.

Mas Laura e Pedro eram muito especiais.

Vim a reencontrá-la noutras ocasiões e, sobretudo, em dias de Política difícil e sofrida. Foram anos de chumbo, de sacrifício e de dificuldades de toda a espécie.

Enquanto Pedro foi primeiro-ministro, Laura não mudou um milímetro, pese a relevância e projeção das funções exercidas por seu marido. Laura mantinha a sua simplicidade. Haverá algo mais difícil do que a simplicidade, sobretudo num país de “pavões”?

Ambos eram autênticos na sua forma de ser e de estar e nada sensíveis às vãs glórias do Mundo. Levavam a vida que sempre levaram.

2. Passei a referir-me a Laura por: “Bom Dia Alegria”. Não dizia olá Laura, dizia exatamente “Bom Dia Alegria”, mesmo entre amigos comuns, quando a ela me referia.

A verdade é que, mesmo já doente, havia sempre um riso – aquele riso que era só e só dela.

Por muitas que fossem as dificuldades, nunca a vi de outra forma que não a iluminar qualquer local onde estivesse.

3. “Bom Dia Alegria​” era um pilar e uma força que se estendia ao que lhe fosse possível fazer e a todos a quem pudesse ajudar: das questões mais complicadas às mais simples. Laura gostava da vida e fazia com que muitos que a lamentavam suavizassem a sua visão do mundo. Sei bem do que falo.

4. Laura era independente no seu dia a dia, recatada na sua profissão, revelando uma filosofia diferente de tantas mulheres de políticos que se lhes colavam (e colam) à pele e que, em função deles e do seu estatuto, ganharam ou tentaram ganhar visibilidade e dela muito usufruíram.

Mas não, isso não era para a nossa “Bom Dia Alegria”.

5. Perdemos um exemplo de resistência, de força e de solidariedade. Perdemos um exemplo de estoicismo alegre e da simplicidade que nos devia guiar, a todos, mas infelizmente, neste Mundo, o “Deus das pequenas coisas” não é lá muito apreciado.

Por tudo o que nos deste, em particular nos momentos mais difíceis, obrigada, Laura.

Continuaremos a ver o teu sorriso nas estrelas do céu e no mais pequeno grão de areia.

Até já “Bom Dia Alegria”.

A autora escreve segundo o novo acordo ortográfico

Sugerir correcção