Nélson Semedo sobre insultos racistas: “Hoje teria feito o mesmo que fez o Marega. Teria saído de campo”

Foi em 2017, quando representava o SL Benfica, que o lateral Nélson Semedo foi também alvo de insultos racistas em Guimarães. À data, gesticulou para a bancada.

,SL Benfica
Foto
Nélson Semedo, ex-jogador do SL Benfica, frente ao Arouca no Estádio de Aveiro, em 2015 MIGUEL VIDAL/Reuters

Actualmente está ao serviço do FC Barcelona, mas foi quando representava ainda o SL Benfica, há cerca de dois anos, que o lateral Nélson Semedo foi alvo de um episódio de racismo semelhante àquele que aconteceu este domingo no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, e que envolveu o jogador do FC Porto Moussa Marega.

Em 2017, então com 24 anos, Nélson Semedo reagiu aos insultos de que foi alvo em Guimarães ao gesticular para a bancada (como que a sugerir que os adeptos falavam demais). “Hoje teria agido de maneira diferente”, garante o futebolista internacional português num email enviado ao PÚBLICO.

Admitindo que “na altura não era tão maduro” como é agora, Nélson Semedo afirma que se fosse hoje “teria feito exactamente o mesmo que fez o Marega [este domingo]”. “Teria saído de campo”.

Após o episódio no Estádio D. Afonso Henriques, Semedo revela que foi “muito apoiado” pelos seus “colegas e por todo o staff do Benfica”. “Pela opinião pública nem tanto”, lamenta. “Lembro-me de ler um artigo em que criticaram o meu gesto, dizendo que o cliente [os adeptos] tem sempre razão e que a única interacção permitida entre um jogador e o adepto é o aplauso. Não estariam certamente à espera que aplaudisse um acto de racismo”, recorda o futebolista.

Para o actual jogador do FC Barcelona “a primeira pessoa a reagir neste tipo de situação tem de ser o árbitro”. “Na minha opinião, o que o árbitro tem de fazer é terminar o jogo e não esperar que um jogador sofra tanto ao ponto de ter de abandonar a partida.”

Porém, defende que este “é um problema global” que não afecta apenas Portugal. “No futebol, os actos de racismo têm sido cada vez mais comuns por falta de punição ou por punição leve por parte da UEFA ou dos responsáveis de cada federação. Os actos de racismo, independentemente de onde ocorram, têm de ser punidos como crime. Infelizmente, o racismo é um problema que está muito presente na sociedade”, nota Semedo.

Quando ao caso deste domingo, o internacional português reitera que “foi lamentável o que se passou em Guimarães”. “No futebol, como em tudo na vida, não pode haver espaço para o racismo. O Marega foi muito corajoso por ter saído do jogo.”