Trazidas pelo clima, seca e moscas destroem laranjas no Algarve

A laranja pequena pode ser “sexy” e saborosa, mas não entra nos mercados das grandes superfícies de distribuição. No negócio dos citrinos, dizem os produtores, só os grandes têm lugar.

Foto
Andreia Patriarca

Os pomares de citrinos do algarve estão a ser atacados pela mosca do Mediterrâneo, - uma praga conhecida em Portugal desde XIX,  e que este ano está especialmente activa,  a picar a fruta. As alterações climáticas, admitem os técnicos, estarão a criar condições para que a espécie se multiplique de forma descontrolada. A falta de chuva, e as temperaturas anormais para época, criam o ambiente propício à criação de novas gerações, reproduzindo-se cinco a oito vezes por ano.

O combate químico a este tipo insecto está revelar-se cada vez menos eficaz. Em alternativa (ou em complemento aos produtos fitofarmacêuticos), existe também a luta biológica, através da instalação de armadilhas de captura (atracção e morte da mosca) - e ainda uma forma engenhosa de controlo da natalidade: em bio-fábricas são produzidos machos estéreis, que têm capacidade para seduzir as fêmeas mas não fecundam.

Durante este fim-de-semana, Silves apresenta-se como a “capital da laranja”, dando a conhecer os melhores variedades de citrinos da região. Neste encontro, aberto ao público em geral, haverá ainda lugar a debates onde se fala das dificuldades que este sector atravessa – incluindo as doenças e a seca no topo das preocupações. “A mosca do Mediterrâneo (Ceratitis capitana) reproduz-se sem fim à vista.”, diz o director regional de agricultura e pescas do Algarve, Pedro Monteiro, acrescentando que já apresentou à tutela um programa de “controlo e de combate” a este insecto, elaborado em colaboração com a direcção-geral de alimentação e veterinária (DGAV).

Por seu lado, o presidente da Cooperativa de Citrinos do Algarve (Cacial),  José Oliveira, enfatiza: “Os produtos fitofarmacêuticos estão a revelar-se cada vez menos eficazes ”. No próximo dia 20, de novo, este assunto estará em debate, num seminário a realizar na Direcção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP), com a participação de técnicos, produtores e investigadores do Algarve e da Andaluzia. Nesta matéria, diz o chefe de divisão de sanidade da DRAP, Celestino Soares, “os espanhóis têm uma larga experiência”, quer no uso das biotécnicas, como na utilização dos fitofarmacêuticos. Em Portugal, acrescenta, a ilha da Madeira- outra das regiões que está rota da Ceratitis capitana- abriu um biofábrica de produção de machos estéreis, em 1995 que, entretanto, encerrou.

Pequenina e sexy

A feira dos citrinos, em Silves, funciona como uma montra desta fruta, emblemática da região. “Vamos também dar a conhecer a laranja feia”, diz José Oliveira, procurando desfazer alguns preconceitos relacionados com o visual da laranja. As manchas epidérmicas que a fruta possa apresentar, diz, não passam de uma questão estética. “Pode não ser tão bonita por fora, mas é tão doce e gostosa como as de maior calibre”, enfatiza. Pedro Monteiro acrescenta: “As manchinhas são como pequenas sardas na pele”. José Oliveira, também dirigente da AlgarOrange – uma associação, formada há pouco mais de um ano, e que reúne os nove maiores produtores da região - destaca um outro problema, o calibre da fruta: “a laranja pequena, por imposição das normas comunitárias, não entra no mercado”. Por conseguinte, o preço desses citrinos “cai para valores mínimos, por só ter aproveitamento na indústria”.

Tamanhos e visual à parte, Pedro Monteiro remata: “A laranja do Algarve é sexy, seja pequenina ou grande”. Embora a mosca do Mediterrâneo esteja a prejudicar a produção de citrinos, José Oliveira lembra que a laranja do Algarve continua a ser uma marca de referência nos mercados internacionais, sobretudo no norte da Europa: “Não conseguimos conseguir competir pela quantidade, mas marcamos pontos na qualidade”, enfatiza. O que faz a diferença com o produto espanhol, diz, é o “equilíbrio entre a acidez e o doce, devido à particularidade do clima da região”. Por outro lado, diz, “começa a existir um consumidor, com preocupações ecológicas, que não olha para a fruta só pelo aspecto que apresenta”. Para lá do brilho que reflecte nas vitrinas dos supermercados, prossegue, “está o percurso [pegada carbónica] que a fruta fez para chegar até à mesa do consumidor”.

Segundo a DRAP, o Algarve produz em 16 mil hectares cerca de 350 mil toneladas de citrinos, sendo à volta de 25 por cento vendida para exportação.  Do outro lado da fronteira, na região de Andaluzia, só a província de Huelva soma 11 mil hectares de citrinos em plantio extensivo. No mercado global, conclui José Oliveira, “somos pouco mais do que um gota no oceano”. Embora a Espanha seja um dos grandes produtores, diz, tem como concorrentes a África do Sul, Egipto e Marrocos, entre outros.

Em 2018, refere, a União Europeia importou mais de um milhão de toneladas de laranja. “Este é um negócio de cêntimos, onde os pequenos produtores estão condenados a desaparecer”. Um quilo de laranjas, actualmente, é pago ao produtor por um preço que varia entre os 20 e os 27 cêntimos, dependendo da variedade. Mas só a apanha custa seis cêntimos/quilo. Por isso, não é de estranhar ver os pomares tradicionais com o chão coberto de fruta a apodrecer.