Antes dos Óscares, os Independent Spirit Awards premiaram o que a Academia ignorou

Diamante Bruto, dos irmãos Safdie, ganhou três prémios na cerimónia de sábado à noite, enquanto A Despedida, de Lulu Wang, e O Farol, de Robert Eggers, conseguiram dois.

Foto
Laura Dern e Scarlett Johansson, ambas nomeadas para Óscares, dão o Prémio de Melhor Actor Secundário a Willem Dafoe, que não foi nomeado pela Academia, na 35ª cerimónia dos Film Independent Spirit Awards que decorreu no sábado à noite Reuters/ERIC GAILLARD

Os Film Independent Spirit Awards, que acontecem na noite antes da cerimónia dos Óscares, sabem que pelo seu estatuto geram menos atenção do que os outros prémios que ocorrem no mesmo fim-de-semana. Sábado à noite, em Santa Mónica, na Califórnia, decorreu a 35.ª edição destes prémios do cinema independente norte-americano, dedicados a filmes com um orçamento menor do que 20 milhões de euros.

Na cerimónia, a toada autodepreciativa esteve presente desde o monólogo inicial cantado por Aubrey Plaza. Notou-se quando ela agradeceu aos presentes por terem vindo “de longe, de outros bairros de Los Angeles”, e transpareceu também em alguns dos discursos das estrelas vencedoras, como o de Adam Sandler, que ficou de fora das nomeações para os Óscares. O actor, quando ganhou o prémio de Melhor Actor por Diamante Bruto, chamou-lhes uma espécie de “prémios de personalidade” como aquele que ganhou no liceu.

Estes prémios são diferentes dos outros. Por exemplo, há espaço para uma canção sobre os “momentos mais gay” dos filmes não necessariamente queer nomeados. Ou, como cantou a apresentadora, são diferentes não só porque a anfitriã bebe durante a apresentação do espectáculo (ao contrário do que acontece com Ricky Gervais nos Globos de Ouro), mas também porque neles se reconhecem realizadoras e não só realizadores.

Foi mesmo isso que aconteceu desta vez: A Despedida, de Lulu Wang, que ficou fora dos candidatos aos Óscares, ganhou o prémio de Melhor Filme. A realizadora disse, no seu discurso de agradecimento, que não é preciso haver mais encorajamento para mulheres que realizam — estas já existem, precisam é que lhes dêem trabalho. O filme de Wang também conseguiu o prémio de Melhor Actriz Secundária para Zhao Shu-zhen, que fez de Nai Nai, a avó em torno de quem a história gira. A melhor realização foi a dos irmãos Josh e Benny Safdie, que discursaram em simultâneo, à la Robert Altman e ao jeito do seu próprio Diamante Bruto, que ainda recebeu o prémio de Melhor Montagem.

Renée Zellweger foi considerada a Melhor Actriz pelo papel (também nomeado para um Óscar) de Judy Garland em Judy, enquanto Willem Dafoe recebeu o prémio de Melhor Actor Secundário por O Farol, de Robert Eggers, que ganhou também a Melhor Direcção de Fotografia — um prémio dado a Jarin Blaschke, que tem a única nomeação para um Óscar deste filme. Olivia Wilde ganhou o prémio de Melhor Primeiro Filme com Booksmart, enquanto Fredrica Bailey e Stefon Bristol levaram para casa o prémio de Melhor Primeiro Argumento por See You Yesterday.

Noah Baumbach, que está nomeado para os Óscares, conquistou o prémio de Melhor Argumento e o prémio Robert Altman por Marriage Story. Também nomeado para um Óscar está o vencedor do Melhor Documentário, American Factory, de Julia Reichert e Steven Bognar. Ambos são produções Netflix, o serviço de streaming a quem Aubrey Plaza pediu, no monólogo inicial, para não “fechar a torneira”.