Johnson exige da UE um acordo de comércio como o do Canadá

Primeiro-ministro britânico faz discurso em que apresenta as suas condições para as duras negociações que decorrem até ao fim do ano. De Bruxelas vêm avisos de que traz expectativas irrealistas.

Foto
Boris Johnson quer as negociações do acordo comercial terminadas até ao fim do ano ANDREW PARSONS/EPA

O “Brexit” está feito, mas há ainda muito trabalho a fazer para que o Reino Unido possa deixar de facto de cumprir as regras da União Europeia, sobretudo se quiser assinar um acordo comercial até ao fim deste ano. Ainda com a adrenalina lá bem em cima por causa da festa de saída, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson prevê fazer um discurso nesta segunda-feira em que dirá que prefere sair sem acordo nenhum, se não estiver em cima da mesa “um acordo tão ambicioso” como o que a UE assinou com o Canadá em 2017.

As negociações só vão recomeçar a sério em Março, mas a equipa de Michel Barnier, que lidera o lado europeu, apresentará as orientações do seu novo mandato também segunda-feira. E do lado de Bruxelas há linhas traçadas a vermelho vivo: o Reino Unido terá de aceitar alinhar-se com a UE nas regras relativas aos direitos dos trabalhadores, ambiente e auxílios estatais para poder assinar um acordo.

Nos corredores de Bruxelas não há grande convicção de que o modelo do Tratado Comercial com o Canadá (conhecido como CETA) possa funcionar para a futura relação comercial com o país.

O CETA levou anos a ser negociado. Reduz praticamente a zero as tarifas nos produtos comercializados entre o Canadá e a UE, protege produtos regionais e permite o acesso a concursos nacionais, regionais e locais de empresas de ambos os blocos. Não cria uma união aduaneira nem um mercado comum, por isso o Canadá e a UE podem fazer acordos de comércio com outros países.

Mas não cobre o sector dos serviços, fundamental no caso da UE e do Reino Unido (um mercado que vale cerca de 107 mil milhões de euros, no total). No CETA permanecem também tarifas sobre produtos agrícolas, como ovos, carne de frango e outras carnes, embora sejam estabelecidas algumas quotas livres de taxas. O valor das trocas comerciais entre as ilhas britânicas e o continente europeu neste sector é, no entanto, seis vezes superior ao comércio da UE com o Canadá, diz a BBC.

Tudo isto não passa de meros pormenores, por enquanto. O que Boris Johnson está a fazer é algo equivalente ao gesto de um toureiro com a capa vermelha frente a um touro: uma provocação, um gesto de bravata, para abrir as negociações que todos sabem que serão duras e, certamente sujas – nunca um acordo comercial tão importante foi negociado em menos de um ano, como Johnson se auto-impôs, para terminar o período de transição até 31 de Dezembro de 2020.

O primeiro-ministro britânico afirma desejar um acordo tão bom como o do Canadá, mas, se tudo falhar, está disposto a ter um mecanismo bem mais desligado, tal como o que rege as relações da distante Austrália com a UE, disse uma fonte governamental britânica citada pela Bloomberg e pelo Guardian.

A isto, fontes da União Europeia, citadas pelo diário britânico, responderam que se Boris Johnson quisesse um acordo com tarifas apenas em alguns produtos, como o estabelecido com a Austrália, será “impossível” tê-lo terminado até ao fim de 2020. “Dado o calendário de negociações de 11 meses – na prática, apenas oito –, o único resultado possível até ao fim do ano é um documento de comércio livre com zero tarifas e zero quotas, ou então não haver acordo e tudo funcionar de acordo com as regras da Organização Mundial de Comércio”, disse ao Guardian essa fonte europeia.