Manuel Resende (1948-2020): um grande poeta bissexto

A recente publicação da sua Poesia Reunida na Cotovia tinha vindo revelar a muitos leitores um dos segredos mais bem guardados da lírica portuguesa contemporânea. Mas Manuel Resende foi também um notável tradutor literário. Morreu esta quarta-feira em Almada, aos 71 anos.

Foto
DANIEL ROCHA

O poeta e tradutor Manuel Resende morreu esta quarta-feira no Hospital Garcia de Orta em Almada, onde fora internado na sequência de um acidente vascular cerebral. Tinha 71 anos e deixa uma obra poética tão breve quanto notável e um não menos importante corpo de traduções, dos poetas gregos Kaváfis e Elytis a Shakespeare, Henry James, Lewis Carroll ou Beckett. Ficará em câmara ardente a partir das 17h de sexta-feira no Centro Funerário de São João de Deus, na Praça de Londres, em Lisboa, onde no dia seguinte decorrerá uma cerimónia de homenagem, entre as 14h e as 15h. O funeral sairá para o Cemitério dos Olivais, onde o corpo será cremado pelas 16h.