Pessoas preparam-se para assistir ao pôr do sol junto a uma casamata. REUTERS/Ann Wang

De abrigos de guerra a cenários de fotografia, os bunkers de Taiwan ganham novos propósitos

Foram construídos para prevenir ataques chineses e estão por toda a ilha de Taiwan. Os bunkers marcam a paisagem taiwanesa, mas já não servem propósitos de guerra — agora, são despensas para utensílios de agricultura, pequenos museus ou espaços de eleição para fotografias. Mas ainda há quem não conheça o seu propósito primordial.

Por toda a ilha de Taiwan há vestígios de bunkers abandonados, construídos durante um período em que a ilha estava sob a lei marcial da China e o medo de um ataque era constante. O objectivo destas construções era impedir que os chineses invadissem o território taiwanês.

Apesar da ameaça vinda da Chinaque reclama a ilha de Taiwan como sua e quer que esta passe a estar sob o domínio de Pequim — ainda não ter desaparecido, as casamatas já não são utilizadas para propósitos de defesa. Actualmente, as estruturas são usadas pelos agricultores como despensas para utensílios, enquanto outras passaram a fazer parte da paisagem e são pontos de interesse procurados por instagrammers.

PÚBLICO -
Foto
Uma casamata junto a uma plantação de chá. REUTERS/Ann Wang

“Acho bizarro que em Taiwan existam imensos bunkers, uma marca de guerra, mas que ninguém saiba para que propósito foram construídos”, diz Chen Kuo-ming, 49 anos, um entusiasta de locais ligados a guerra, que desde 2002 tem vindo a pesquisar e a mapear estas estruturas.

A construção de algumas das casamatas remonta ao tempo em que Taiwan era uma colónia japonesa, antes e durante a Segunda Guerra Mundial. Posteriormente, terão sido melhoradas quando o governo de Kuomintang voou para Taiwan, em 1949, depois de perder a guerra civil com os comunistas, explica Chen.

PÚBLICO - Chen Kuo-ming, 49, editor de uma revista e entusiasta de temas miliares, que desde 2002 pesquisa sobre as casamatas taiwanesas.
Chen Kuo-ming, 49, editor de uma revista e entusiasta de temas miliares, que desde 2002 pesquisa sobre as casamatas taiwanesas. REUTERS/Ann Wang
PÚBLICO - Chen Kuo-ming explica o interior de uma casamata em Nantou.
Chen Kuo-ming explica o interior de uma casamata em Nantou. REUTERS/Ann Wang
Fotogaleria
REUTERS/Ann Wang

O produtor de ameijoas Ding Long-kai — que não quis revelar a idade, dizendo apenas que estava na casa dos 60 — guarda a memória de criança das casamatas, espalhadas ao longo das praias de Yunlin, na costa Oeste de Taiwan, que olha de frente para a China.

“Era proibido ir para a praia e ficar perto das casamatas”, diz Ding. Mas como a linha da costa mudou e a sua manutenção acabou, muitas das velhas construções acabaram por ser engolidas pela areia, ou rodeadas por produção de amêijoas.

PÚBLICO -
A paisagem a partir do interior de uma casamata. REUTERS/Ann Wang

“Lembro-me de ver slogans como ‘matem os comunistas’ e ‘reclamem as terras’ escritas nas paredes das casamatas. Mas esta é a única que restou. As outras foram removidas por outros produtores”, adicionou Ding, apontando para o bunker que resta no local onde produz amêijoas.

No topo da costa de Yunlin, em Hsinchu, o funcionário público Lin Zi-xing, 72 anos, tenta proteger as casamatas que permanecem junto da sua casa. Recorda como, em criança, tentava entrar sorrateiramente nos bunkers para brincar, e diz que seria uma pena perder esta parte da história de Taiwan.

PÚBLICO - Um bunker taiwanês que agora é utilizado para guardar ferramentas de agricultura.
Um bunker taiwanês que agora é utilizado para guardar ferramentas de agricultura. REUTERS/Ann Wang
PÚBLICO - Uma casamata que passou a fazer parte de um parque infantil.
Uma casamata que passou a fazer parte de um parque infantil. REUTERS/Ann Wang
PÚBLICO - Depois de o governo de Kuomintang voar para Taiwan, em 1949, a estrutura foi usada para controlar o céu, devido à proximidade com o aeroporto.
Depois de o governo de Kuomintang voar para Taiwan, em 1949, a estrutura foi usada para controlar o céu, devido à proximidade com o aeroporto. REUTERS/Ann Wang
PÚBLICO - Um altar budista, construído no interior de uma casamata.
Um altar budista, construído no interior de uma casamata. REUTERS/Ann Wang
PÚBLICO - Um <i>bunker</i> parcialmente submerso.
Um bunker parcialmente submerso. REUTERS/Ann Wang
PÚBLICO - A parede interior de uma casamata.
A parede interior de uma casamata. REUTERS/Ann Wang
PÚBLICO - As casamatas são usadas para guardar utensílios.
As casamatas são usadas para guardar utensílios. REUTERS/Ann Wang
Fotogaleria
REUTERS/Ann Wang

Lin transformou um deles num espaço para crianças e outro numa espécie de museu para turistas, para mostrar a história da zona. “Arranjei muitos problemas com os residentes por causa disto. Parcialmente por causa de problemas relacionados com terras, mas também porque lembra as gerações mais velhas de uma guerra sobre a qual ninguém quer falar”, afirma.

Chen, por sua vez, aponta que os bunkers também são uma espécie de lembrete das tensões que ainda existem entre Taiwan e China. “Não nos podemos esquecer: Taiwan e China ainda são estados hostis.”

PÚBLICO -
Foto
Lee Kuo-Jia, 90, um veterano chinês que chegou a Taiwan com o exército de Kuomintang, em 1947. REUTERS/Ann Wang