A ressaca: truques para a prevenir… e ajudar a curar

Os excessos fazem partem das festas. E, se por vezes os truques para evitar a ressaca resultam, casos há em que o melhor é prepara-se directamente para a cura.

,a Ressaca
Foto
O filme "A Ressaca" retrata as situações mais inusitadas após uma noite de muito álcool DR

A ressaca acontece quando o consumo de álcool excede a capacidade que o fígado tem de o metabolizar, ao mesmo tempo que o organismo acusa desidratação causada pelo factor diurético: quanto mais álcool se bebe, mais líquidos se perdem.

Dependendo da quantidade de álcool ingerida, a ressaca pode ser leve, com algumas dores de cabeça e sede, ou violenta, em que as dores de cabeça são fortes, sendo acompanhadas por dores em quase todo o corpo, enjoos, sensibilidade ao som e à luz e falta de apetite. Em casos extremos, a ressaca pode incluir uma espécie de amnésia, em que não nos lembramos de partes da noite anterior — se não viu o filme de Todd Phillips, A Ressaca, de 2009) e respectivas sequelas (Parte II e Parte III), esta pode ser uma boa altura para o fazer​​ (pelo sim, pelo não, é melhor arranjar um lembrete: não fazer tatuagens, não arrancar dentes, não ficar com bebés alheios e não sequestrar tigres...).

PÚBLICO -
Foto
"A Ressaca 2" DR

Como evitar a ressaca

Por tudo o que se descreveu atrás, antes ainda de iniciar os festejos, prepare o corpo para os excessos, a começar por descansar um pouco antes de seguir para a festa. Não beber de estômago vazio é outra das regras de ouro para quem não quer passar o dia a seguir num estado próximo da doença. Isso e não misturar bebidas: se começar pela cerveja, não passe para o vinho à hora da refeição nem ceda à tentação de enveredar pelas bebidas brancas noite dentro.

Além de tudo isto, beber um copo de água entre as doses de bebidas alcoólicas vai garantir que o organismo se mantenha hidratado, além de ajudar à digestão do álcool.

Há ainda quem recomende a ingestão de carvão activado antes de começar a beber, uma vez que este irá dificultar a absorção do álcool no organismo. “O ideal seria ingerir carvão vegetal imediatamente depois de começar a beber, já que este funciona como um sugador do excesso de produtos no estômago”, explicou ao PÚBLICO o farmacêutico Hipólito Aguiar num artigo em que se revia a matéria sobre o mesmo assunto.

Como curar a ressaca

Se só abriu este texto em 2020 e não foi a tempo de aplicar os truques para evitar a ressaca, trate já de a começar a curar.

A primeira coisa a fazer é beber muita água, promovendo a hidratação. Um bom atalho pode passar por tomar as soluções à venda nas farmácias que combatem a desidratação e restabelecem o equilíbrio dos sais essenciais para o bom funcionamento do organismo.

Além disso, tanto a cafeína como o açúcar irão ajudar a acelerar o funcionamento do organismo, expulsando mais depressa o álcool que teima em circular pelas nossas veias.

Apesar de não sentir vontade, não comer não irá fazer com que a ressaca passe mais depressa. Porém, opte por alimentos ricos em vitamina C e fuja das gorduras.

Se as dores de cabeça forem muito fortes, poderá ajudar a toma de analgésicos, como o paracetamol. E, claro, repousar. “O repouso é essencial para o organismo recuperar, já que a pessoa está fisicamente esgotada porque o álcool motiva uma série de processos que consomem alguma energia”, explicou, em 2018, o professor na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Armando Carvalho, ao PÚBLICO.

E é certo que funcione?

Há quem jure a pés juntos que tudo isto funciona. No entanto, em 2008, dois cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Indianápolis, nos Estados Unidos, procuraram, em centenas de revistas científicas do mundo inteiro, artigos sobre seis dos mais comuns mitos sobre as quadras festivas e o Inverno, entre os quais as curas para a ressaca, que incluem aspirina, bananas, água, sumo de tomate, cerveja, limão, café, chocolate…

Dos estudos encontrados pelos cientistas, nenhum parece ter qualquer solução milagrosa para acabar com uma ressaca: nem cardo, nem cactos, nem flores silvestres, nem fructose, nem glucose. De todos os produtos testados cientificamente, nenhum mostrou quaisquer capacidades para aliviar uma ressaca. "Uma ressaca é causada pelo excesso de consumo de álcool”, dizem os cientistas nas conclusões publicadas na época no British Medical Journal. “Por isso, a maneira mais eficaz de evitar uma ressaca é consumir álcool com moderação ou nem sequer o consumir.”