Chegou a vez dos outros na cultura

Não é da última década o debate sobre a hegemonia do homem branco nos circuitos culturais, mas foi na última década que saiu da academia e chegou à esfera pública — para ficar. A tendência para fazer da diversidade uma bandeira (nas artes visuais, no cinema, na música, na literatura) não é uma moda: é a resposta a uma exigência de justiça.

,Arte
Foto
O Museu de Arte Moderna de Nova Iorque reabriu em Outubro ampliado e com um novo discurso expositivo. Aqui Les Demoiselles d'Avignon, de Picasso, é exposta junto a American People Series #20: Die, uma pintura da afro-americana Faith Ringgold MoMA

Museus a venderem obras que há décadas faziam parte das suas colecções para, em sua substituição, poderem fazer entrar nos seus acervos mais mulheres e mais não-brancos; a reformularem o  discurso expositivo para incluir outras geografias; a alterarem a programação para que os visitantes tenham acesso não a uma história de arte cristalizada, mas a várias histórias de arte ainda e sempre em aberto.