Novos donos das barragens da EDP vão ter de pagar impostos em Portugal

Uma das condições que o Governo vai impor para aprovar a venda das barragens da EDP aos franceses da Engie é que os rendimentos gerados sejam tributados no país.

Foto
Sara Jesus Palma

O negócio de venda de barragens que vai reconfigurar o mapa da produção hidroeléctrica em Portugal e acabar com o monopólio da EDP deverá estar concluído apenas na segunda metade de 2020. Pela venda das seis centrais no distrito de Bragança (Miranda, Bemposta, Picote, Foz Tua, Baixo Sabor e Feiticeiro) a eléctrica liderada por António Mexia conta receber 2200 milhões de euros, que vai utilizar para reduzir o endividamento.