Operação Natal: menos mortos e feridos, mais acidentes

O número de mortos decresceu em relação ao ano anterior — quando morreram 21 pessoas —, mas o número de acidentes aumentou: este ano foram 3521.

M. Night Shyamalan
Foto
GNR durante a Operação Natal e Ano Novo, que mobiliza diariamente cerca de 4600 militares RODRIGO ANTUNES/Lusa

As autoridades registaram 11 mortos, dos quais nove nas estradas do continente, devido a acidentes rodoviários, número que aumentou devido ao mau tempo, entre 18 e 25 de Dezembro.

Segundo os dados divulgados esta quinta-feira em conferência de imprensa conjunta da GNR, PSP e Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) morreram nove pessoas nas estradas do continente, representando um decréscimo de 57% em relação ao ano passado (21 óbitos). As duas vítimas mortais que ocorreram nos Açores e na Madeira não entram na estatística da ANSR.

Também o número de feridos graves e ligeiros diminuiu na Operação Natal 2019, apesar de se terem registado mais acidentes, o que mereceu um elogio ao comportamento dos condutores por parte do presidente da ANSR, Rui Ribeiro.

“O decréscimo das vítimas mostra um comportamento responsável por parte dos condutores e esperamos que se mantenham assim até ao final da operação, a 5 de Janeiro, permitindo que os números continuem a descer”, afirmou.

Nos oito dias da operação Natal de combate à sinistralidade, as autoridades policiais registaram 3521 acidentes rodoviários (mais 334 do que o ano passado), 39 feridos graves, contra 46 em igual período de 2018, e 841 feridos leves, contra 1038 registados há um ano.

As autoridades realizaram 240.220 acções de fiscalização, incluindo radares e 32.902 testes de álcool, pelos quais foram detectadas 575 infracções (1,8%) e 205 detenções devido à taxa crime de álcool no sangue. A nível nacional, nestas 240.220 fiscalizações registaram-se 23.887 infracções e 331 detenções de condutores, dado que incluiu as 205 por excesso de álcool. Foram igualmente detectados mais de 15 mil excessos de velocidade, 370 por excesso de álcool e 390 infracções pelo uso de telemóvel. 

Na zona de acção da GNR, segundo o coronel Paulo Gomes, foram detectados 2190 acidentes, que provocaram sete mortos e 30 feridos graves. Contudo, indicou, os acidentes mais graves estão relacionados com o mau tempo e não com a deslocação das famílias para a celebração do Natal.

Na área da PSP, segundo o intendente Nuno Carocha, foram registados 1504 acidentes, a maioria dos quais por excesso de velocidade, por desrespeito das regras da prioridade e pelo uso do telemóvel. Esses acidentes provocaram quatro mortos, 421 feridos, dos quais 14 graves.

A operação Natal e Ano Novo, que termina a 5 de Janeiro, conta com cerca de 19 mil elementos da PSP e da GNR que vão continuar a fiscalizar e patrulhar as estradas portuguesas até ao Ano Novo com o objectivo de diminuir a sinistralidade rodoviária.