Um acordo com sabor amargo na Cimeira do Clima. Mercados de carbono ficaram de fora

Na manhã de domingo, as partes chegaram a acordo em Madrid, mas o Artigo 6, o único que falta regulamentar do Acordo de Paris, continua sem solução. “Implementar um mercado de carbono robusto, com integridade ambiental, que considere as necessidades de cada um, com um fundo de adaptação de que tanto precisamos” teria sido muito muito importante, declarou a presidente da cimeira.

Foto
Manifestação durante a COP25 LUSA/FERNANDO VILLAR

Com um dia e meio de atraso está prestes a terminar a 25.ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, com um consenso sobre a generalidade dos temas em cima da mesa, mas sem solução para aquela que era, para muitos, o ponto central desta cimeira: a regulamentação do Artigo 6 do Acordo de Paris, que se refere, sobretudo, aos mercados de carbono. Reconhecendo “com pena” que não foi possível chegar a um consenso, a presidente chilena da COP25, Carolina Schmidt, anunciou a adopção do documento que adia uma solução para a próxima cimeira, marcada para Glasgow, na Escócia, em Novembro do próximo ano.

Sugerir correcção
Ler 27 comentários